domingo, 20 de setembro de 2009

CASA VERDE DÉCADA DE 60

Bons tempos de Casa Verde:
Década de 60


- Quando eu andava de bonde da linha número 55, com ponto final na Praça Centenário e com início na Rua Antonio de Godoy lá no centro da cidade, tinha o bonde aberto onde eu andava não estripo com o vento batendo no meu rosto e também o fechado que tinha o apelido de camarão.

Nessa época eu estudava no Grupo Escolar Professor Benedito Tolosa, não não sim e atual não Galpões COM antigo de madeira e outra parte em alvenaria. Depois pedi Transferência para o Grupo Escolar José Carlos Dias onde terminei o curso primário.

Lá eu aprendi a ler, escrever, como Operações Quatro, Um pouco de geografia, outro tanto de História, Conhecimentos Gerais, gramáticas.

Tinha também o ônibus 74 da CMTC que saia da av. Rio Branco, quase esquina com a av. Ipiranga, bem em frente ao Restaurante Guacyara II e ponto final na Praça Cruz da Esperança. Nessa época podia-se andar tranqüilamente pelo Centro da cidade, sem o perigo de ser roubado assaltado, sequestrado ou assassinado. Nos finais de semana eu ia aos bailinhos de garagem e dos clubes do bairro como o Az de Ouro, União Casa Verde, Centenário, Laranjeiras, o Vasco da Gama, onde dançava ao som de Ray Connif, Trio Los Panchos, Bert Kaempfert Orquestra e, Pepino di Capri, Rita Pavone, Gigliola Cinquetti,

Charles Aznavour, Johnny Rivers, Beatles, Elvis plesley, jovem guarda e tantos outros.

Aos catorze anos de idade comecei a trabalhar de Office-boy com carteira assinada, sempre trabalhei setor administrativo e não segui a carreira, de Office-boy passei para auxiliar de escritório, depois para auxiliar de contabilidade e por final Encarregado de escritório até aposentar - mim.

O Centro de São Paulo era tão tranqüilo que os cinemas tinham uma famosa Sessão da Meia Noite, costumava ir aos Cines: Ipiranga, Marrocos, Marabá, no bairro Ouro e nos Cines: D. José, o Cine Casa Verde, Cine Santa Isabel, quase sempre assistia os famosos-BANG BANG, ou seja, faroeste americano.

No nosso bairro não tínhamos opções de lazer, quando criança jogava bola nos Campinhos, brincávamos com bolinhas de gude, pião, bola ao taco, Rua da Mãe, mãe na mula, nadávamos não Buracão (Matão), Lago Azul (Anhembi), empinávamos Barrilete (pipa), andávamos de carrinho de rolimã na Chácara dos Padres (Jardim São Bento), íamos a missa das dez horas aos domingos na igreja NS das Dores (só na porta), ouvia minha mãe com novelas da Rádio São Paulo.

Por volta de 1965 Surgiram como escuderías, eram de rapazes que participavam e tinham carros de gincanas promovidas pela TV Record e para angariar Fundos para as competições promoviam bailes em casas de famílias, lembro-me de algumas: Esmeril, Pato, Mangusta, Cobra, mixórdia, Xabunga cada bairro tinha escuderías várias.



Parte III

Também nessa época era muito comum namorar escondido, Portão sem namorar, depois ficar noivo e casar e foi o que eu fiz, namorei, noivei, casei, criei os filhos descasei e nunca mais casei.

Também era comum estudar até o primário, depois trabalhar, estudar a noite admissão ao ginásio ginásio, depois o científico, ou o normal ou o clássico ou Técnico em Contabilidade, nem pensar faculdade, ou casa ou faz faculdade, eu casei.



PARTE IV

Fico a recordar, não tínhamos mês de junho como festas juninas, dessas eu tenho saudade mesmo, eram mais ou menos assim:

As famílias se compravam cotizavam e batata-doce, pipoca, amendoim, paçoca, quentão,

Bolo de fubá enfeitavam um terreno baldio com bandeirolas de papel de seda em várias cores, com uma grande fogueira no Centro e todos vestidos de caipira ao som de um conjunto de sanfoneiros dançavam uma quadrilha, com noivos chegando de carroça, o pai da noiva com uma espingarda, o delegado bravo, o juiz de casamento irritado, ali diante da fogueira era realizado o casamento, o arrasta pé ai até altas horas da madrugada, onde acontecia depois vários casamentos de verdade.

Lembro-me também do pau de sebo, o mais famoso era o do Bar do PoFF na av. CASA COM Verde Final da Av. Prof. Baruel era o mais concorrido, pois era o que oferecia maior quantidade de prêmios.

Parte V

Lembro-me também quando criança que passava todas as manhãs na porta da minha casa um senhor com uma carroça e ia deixando litros de leite nas casas, inclusive na minha, depois vim, a saber, que era o Juca Leiteiro e que tinha uma vacaria Vichi na rua, próximo ao Morro do ¨ S ¨.



Também tinha um senhor que vendia Creolina em uma carroça, ele passava gritando:

Creolina boa lá, Creolina boa lá, Creolina boa lá, Creolina boa lá, Creolina boa lá,

Creolina é um desinfetante poderoso e com cheiro muito forte, atualmente não se E.U.A. mais.


Também passava por lá (Rua Zanzibar), um senhor nordestino, moreno e baixinho em uma bicicleta adaptada que vendia quebra-queixo, (é feito de coco queimado com açúcar e fica muito duro), mas era muito bom.



Parte VI

Fui dormir e sonhei com os antigos Emporios DE Secos e Molhados, na época era quase tudo vendido a granel os de embalagens mais era muito caros, hoje eu sei que A maioria das embalagens era importada, pois nossa Indústria de Embalagens era muito pobre. Vendia-se a granel óleo, arroz, feijão, farinha de milho, macarrão de mandioca,

(gravatinha eo Espaguete), manteiga, azeitona, enfim quase tudo a granel, mas tinha um Macarrão Espaguete das Inds.Matarazzo que Desbotado era embalado em um papel grosso da cor azul e chamava-se Macarrão Petybom.

A maioria dos tais era Emporios de portugueses e com nome de santa eo Srs. Manoel ou Joaquim estava sempre presente nas cadernetas anotando as vendas a crédito, eles também ficavam sempre com uma caneta pendurada na orelha.

Havia também como quitandas, essas eram quase sempre de Proprietários japoneses, também vendiam tudo a granel, não tinha bandejinhas ou plásticos para embalar, como verduras ou legumes eram embalados em papel jornal e colocado em nossas sacolas de lona.

Não era igual Açougue, a carne era embrulhada em papel jornal e depois em jornal enrolada, isso mesmo jornal velho.


Parte VI

Fui dormir e sonhei com os antigos Emporios DE Secos e Molhados, na época era quase tudo vendido a granel os de embalagens mais era muito caros, hoje eu sei que A maioria das embalagens era importada, pois nossa Indústria de Embalagens era muito pobre. Vendia-se a granel óleo, arroz, feijão, farinha de milho, macarrão de mandioca,

(gravatinha eo Espaguete), manteiga, azeitona, enfim quase tudo a granel, mas tinha um Macarrão Espaguete das Inds.Matarazzo que Desbotado era embalado em um papel grosso da cor azul e chamava-se Macarrão Petybom.

A maioria dos tais era Emporios de portugueses e com nome de santa eo Srs. Manoel ou Joaquim estava sempre presente nas cadernetas anotando as vendas a crédito, eles também ficavam sempre com uma caneta pendurada na orelha.

Havia também como quitandas, essas eram quase sempre de Proprietários japoneses, também vendiam tudo a granel, não tinha bandejinhas ou plásticos para embalar, como verduras ou legumes eram embalados em papel jornal e colocado em nossas sacolas de lona.

Não era igual Açougue, a carne era embrulhada em papel jornal e depois em jornal enrolada, isso mesmo jornal velho.



PARTE VIII



Convescote A CIDADE DE SANTOS

Na década de 60 era muito comum as famílias organizarem convescote à cidade de Santos,

Poucas famílias tinham carros, então se organizava uma excursão, assim que funcionava:

, Convidavam-se as pessoas para participarem uma vez aceito colocava-se o nome na lista.

Até completar um lotação do ônibus, dividia-se o valor do frete entre todos, isso feito marcava-se o dia ea hora da saída, não saíamos Geralmente domingos de madrugada, lá pela 5:00 h da manhã.

Quase ninguém ia dormir, as duas da madrugada já tinha gente esperando o ônibus, soltando fogos ficavam, cantando, bebendo era uma maior algazarra na rua.

As pessoas iam chegando com grandes sacolas cheias de alimentos, as mães preparavam, farofa com frango, pastéis, carne louca, bolos, arroz, limonada, café, sanduíches de mortadela.

Na ida íamos cantando> ai ai ai ai aii ta chegando hora o mar já ................, vem chegando

Contando piadas, uma turma do batuque não parava, porque isso demorava uma viagem 3 horas, isso mesmo 3 horas para chegarmos na Praia do Gonzaga.

Chegando lá era uma comédia Maior, que formavam uma grande roda de mulheres abraçadas uma a outra e uma uma uma ia para o meio para colocar o maiô, já Estavam os homens de sunga e como Cambalhotas davam crianças na areia, os mais velhos jogavam bola, Outros já Estavam na água, alguns rolavam na areia, outros se cobriam com areia até o pescoço ..



Depoimentos de colegas Recebidos do ORKUT
Salete

Que bom você ajudar-me a recordar.

Também me lembro dos japoneses das Tinturarias, exatamente como você a descreveu.

Naquela época andávamos de gravata e terno e deixavam enguias como roupas impecáveis,

Principalmente as camisas brancas que ficavam bem brancas e engomadas.

Veja que engraçado:

Outro dia fui ao supermercado para comprar goma, pois queria engomar uma camisa que estava com uma gola mole, procurei, procurei e não encontrei, então perguntei uma goma da um funcionário, ele foi procurar e me trouxe GOMA ARABICA aquela de colar papel.

Então lembrei-me de uma fórmula que minha mãe usava camisas para engomar

(maizena e água), usei e deu certo.

Nunca mais vi ninguém com camisa engomada, penso que não se E.U.A. mais goma.

Como Tinturarias tinham uma fachada pintadas com faixas coloridas horizontais.



Higiene

Nem sei como estou vivo até hoje, dado a falta de higiene que os alimentos eram vendidos na época, era quase tudo vendido a granel, a mercadoria fica exposta nos Balcões, nas carroças, nos carrinhos de mão, barracas de feiras, sacolas, Dias Dias E, Sem qualquer proteção.



PARTE IX


Nas décadas de 60 e 70 fazia muito sucesso aqui no Brasil musicas Italianas, então fui até o you tube e selecionei algumas que eram muito tocadas nos bailinhos nosso, vá até o meu perfil e clique em veja e vídeos:

PEPINO DI CAPRI, NICO FIDENCO, RITA PAVONE, Sergio Endrigo, GIGLIOLA CINQUENTI, entre outros.



Na década de 70

Passava na AV. Casa Verde com Rua Guarisinho uma menina-moça, alta, magra, cabelos longos e escuros, muito branca e com um largo e belo sorriso, com uniforme do colégio NSD (blusa branca, saia azul marinho e meias brancas e sapatos pretos.) Nunca conversamos ou fomos Apresentados, mas ela sempre me cumprimentava com um belo sorriso.

Passado esse tempo todo eu a encontrei no ORKUT e notei que ela continua com o largo e belo sorriso.



PARTE X



OBJETOS obsoletos HOJE QUE EU USEI

Veja fotos

CANTE TINTEIRO E MATA Borrão

No segundo ano primário comecei a escrever com caneta tinteiro, ou seja: caneta bico de pena, molhava-se a mesma em um tinteiro e se escrevia e depois passava-se o mata borrão Em Cima da escrita para secar mais rápido.



CANETA COM RESERVATÓRIO DE TINTA

Essa eu tive várias, a mais famosa era uma Parker 51 que tenho uma até hoje, e era mais ou menos assim: tinha na parte interna um reservatório de borracha para Armazenar a tinta Geralmente usávamos um tinta GOYANIA e se escrevia muito bem com ela, com letra legível e bonita, isso porque na época tínhamos aulas obrigatórias de caligrafia.



Pirógrafo

Esses usávamos nas aulas de trabalhos manuais, é mais ou menos assim, pois ainda tenho um, veja: é um aparelho com cortiça e uma na ponta um arame de aço que um um fio ligado na tomada pode-se escrever em madeira, couro, sola.

Em Madeira fazíamos bonitas gravuras, quadro de avisos, Tabuletas, também e as vezes queimávamos os dedos, etc



DIPLOMA DE Datilografia

Também era muito comum uma escola de datilografia para se aprender a escrever a máquina também (tenho uma). A primeira lição era: asdfg (Espaço) asdefg (espaço) e assim por diante até fazermos automatically uma folha sem erros sem olhar para as teclas. O teclado é parecido com o de hoje.



PAPEL CARBONO

Quando queríamos cópias usávamos o papel carbono, mais ou menos assim:

Entre as folhas colocava-se o papel carbono e esse um transferia para uma folha seguinte, na máquina de escrever podia-se colocar até quatro cópias.



Mimeógrafo

Esse era complicado, nem vou explicar, mas também fazia várias cópias.
MINHA MÃE usava

Moedor de carne manual, pau de macarrão, rádio AM com válvulas, rádios para antena, relógio despertador, pingüim na geladeira, TV a preto e branco com seletor de canais Emerson e colorido com plástico na tela, caixa de costura, ovo de madeira para costurar meias de algodão chaleira, coador de pano, base de ferro para coador de café, saco de pano para guardar o pão, panos de pratos bordados por ela também bordava (Lar Doce Lar), uma iniciais do nome camisas sociais nas, e fazia almoço janta, bolinho de chuva, bolo de fubá, também, nhoc tinha uma terrina para servir sopa.

Aos domingos comprava uma galinha viva ea matava em casa com um corte no pescoço (coitada da galinha). Caneca esmaltada, máquina de costura Paff (ta na casa da minha tia).


GIBI

Falando-se em revista eu era viciado em GIBI lia quase todos, Fantasmas, Mandrake, Bolinha, Luluzinha, Tarzan, Gim das Selvas, Cavaleiro Negro, Roy Rogers, Rin-Tin-Tin, todos do Walt Disney, Zorro, Flash Gordon entre muitos outros. Usava-se muito trocar com os colegas gibis usados e comprar também.

Depois passei a ler livros de bolso (lembra?), Tinha bang-bang, romance, policial, comprava novos e usados. Lembro-me que o manelao do Guarani vendia revistas, gibis e Livretos na feira da Rua Baruel aos domingos. Eu sabia quase todos os nomes das cidades do Velho Oeste dos EUA, os bandidos assaltavam bancos e fugiam para Nevada, kankas City, Novo México, Virgínia e por ai a fora.


CENTRO DE SÃO PAULO
Nas décadas de 60 e 70 era muito comum o passeio pelo centro de São Paulo, pois lá ficavam as grandes lojas, tais como: Mappin, Pirani, uma exposição, um Clipper Exposição,

Lojas Garbo, Lojas Assunção, Mesbla, Três Leões, Serva Ribeiro (vendia DKV, av. Rio Branco). Essas eu eventualmente freguentava, entre outras muitas.

Tinha também na av. Ipiranga, o Bar Maravilha Com mais de 30 mesas de bilhar, onde joguei algumas vezes e tive uma oportunidade de conhecer os melhores jogadores de bilhar do Brasil,

Eels: Rui Chapéu, Praça, Carne Frita, este local não fechava funcionava 24:00 horas, na frente tinha uma engraxataria com mais de 20 cadeiras. (Engraxava engraxataria Na-se os sapatos brilhando ficavam que, na época ninguém usava tênis para passear.)



Na AV. São João tinha o bar do Jeca onde se reuniam artistas em busca de serviço.

Na AV. Ipiranga tinha uma Salada Paulista (salsicha com pão, nem era cachorro quente).

Para Paquerar íamos A Biblioteca Mário de Andrade, na Consolação com Praça D. José Gaspar, encontrávamos onde as meninas do Caetano de Campos, Álvares Penteado, também tinha uma Galeria Metrópole ponto que era de mulheres bonitas.Chico

Lembro-me muito bem do Gato Que Ri, pois eu tinha uma namorada que trabalhava na Vieira de Carvalho e outra vez o iamos lá comer a famosa lasanha verde.

Mais para baixo lá na São João tinha também o Cine Comodoro (Cinerama), dizem que era o mais bonito de São Paulo, e era mesmo.



Você lembra da Praça Júlio Mesquita 69. (ali perto do Cine Metro.), não posso nem contar aqui o que eu me diverti por lá.



Ali tinha também uma Loja Pirani (maior desgraça aconteceu naquele prédio, nem é bom lembrar)


Fernando

Sr. Luiz Quando eu era garoto meu velho pai, que na época era novo, eu Reunià e meus irmãos na sala de casa e colocava uma fita do Costinha não toca começavam e Fitas de piadas. Nessa época não tínhamos tanta tecnologia eo som era ruim, mas nos divertíamos muito com as anedotas do Costinha, principalmente as das bichinhas Que minha prima fazia lembrar de seu irmão. Aos finais de semana íamos visitar minha avó que morava na avenida Casa Verde. Devido a falta de recursos íamos a pé mesmo ... No caminho passávamos no bar do Gues para tomar uma água na saída e mandávamos o pobre para um PQP. Ao chegar encontrávamos o velho Zé Todo Sujo dormindo em cima dos restos de sola de sapato da oficina, o tchalau mamado brigando com uma vovó, mas era normal, uma Sapataria Fios de Ouro era um sucesso, FORNECEDORA exclusiva de calçados para uma loja do Tadachi que repassava os produtos para toda uma região. Depois do almoço o Fino TENTAVA arrumar a porra da TV preto e branco da vovó colocando um bom bril na antena, depois de tentar e não arrumar nada ia dormir, eu e meu irmão Luciano íamos para uma Oficina do Vovô, o veio tava lá dormindo e todo final de semana jogávamos um balde de água nele, mas ele nem ligava, depois íamos gastar os pregos ea tinta de sapato não veio enquanto ele dormia novamente. No final da tarde já quando o sol baixava um pouco, papai acordava e ia para rua ver o movimento, ele se sentava nenhum degrau da Casa da Portuguesa, na época era moda usar curta bermuda jeans bem, então quando papai se sentava sem suas degrau bolas ficavam todas de fora. O meu tio Hugo aparecia de moto e nos Levava para dar uma volta no quarteirão e depois íamos à padaria tomar uma Tubaina, bons tempos ....


CAMA PATENTE


Hoje lembrei-me da CAMA PATENTE, aquela de madeira imbuia, com uma tela de Arames, pesada e muitos envernizada de cor marrom, tinha uma etiqueta colada azul na cabeceira, durava uma vida inteira.

O colchão era de algodão e também muito pesado, não existia colchão de molas.

Achei várias fotos delas na net e copiei uma delas.



Zarabatana 1960

Fiz algumas travessuras, como apertar uma campainha e sair correndo e fazer Zarabatana de canudinho de papel, me esconder e soprar nos transeuntes. Botei fogo em um quintal, coloquei Bombinhas Amarradas em rabo de cachorro, fazia monstro de melancia com uma vela dentro,. Brinquei de pega-pega, de esconde-esconde, Rua da Mãe, mãe na mula, bola ao taco, e soltei pipa sem cerol, brincava de médico com as meninas, urinava de cima dos muros, colocava caixa de papelão na calçada com pedras Dentro para chutar alguém, jogava bola campinho não, trocava figurinhas e gibis, assistia televizinho,
Canudinho de Papel (Zarabatana), Consistia em um tubo de metal fino com 30 cm de comprimento e com tiras de folhas de caderno velho.

Fazíamos com tiras de papel e canudinhos de que eram fechados com saliva introduzidos no Tubo de metal

Soprado E depois, o canudinho bem longe ia.

Nos dias chuvosos ficavamos em baixo da marquise do Açougue, lá na av. Casa Verde, soprando os canudinhos, quem ganhava o fixava em algum lugar ou nos cabelos de alguma menina que passava.


E MAIL FERNANDO



Para todos que acompanhem a história da família vou ter que voltar um pouco mais no tempo ...

São Paulo, anos 70, período este marcado por altos e baixo na nossa economia, Brasil se tornara tri-campeão mundial de futebol era apresentada, uma nação uma TV em cores, os veículos movido a álcool, crise do petróleo, entre outros tantos fatos que marcaram esta década.

Todos os dias uma pequena era Izilda acordada pelo avô para ajudar a carregar uma carroça de melancia, uma pobre menina que já se tornara uma bela moça, de belos seios e pernas grossas, já causava interesse nos rapazes da região. Enquanto era uma bela Explorada pelo seu avô, sua irmã Mirian ficava fingindo que estava doente para não trabalhar (tipo o Gugu), uma velha Adda não dava moleza e já mandava ela ir lavar o banheiro. No final de um arduo dia só tinha uma Bela Forças para tomar um banho de caneca e pedir a Deus que lhe enviasse um príncipe para tirá-la desta vida.



Ela nem imaginava que perto dali estava seu príncipe encantado, o Fininho da AV. Casa Verde, região da grande personalidade, fez diversas amizades que não Trabalhou tempo na farmácia em frente sua casa. Era muito conhecido por ser filho do empresário José, do ramo de calçados e pelas festas que organizava na garagem de sua casa, embora, ele tivesse tudo, ainda sentia que algo lhe faltava, um vazio em sua vida. E o jovem rapaz Começou a freqüentar os bairros vizinhos em busca de uma companheira, e foi ai que seu amigo Caramico lhe falou de uma movimentada rua que tinha um colégio na Travessa da Rua Zilda. Sem pensar muito o Fino vai para sua casa, toma um banho, coloca sua calça boca de sino azul céu toda enfiada rabo não, era moda na época, sua regata lista de caramelo e marron com um sapato de pelica, se junta uma sua turma e vai até a tal rua onde fica até hoje a Escola Colombo de Almeida.



Todo perfumado com colônia de rosas o belo rapaz chega na rua e logo ao dobrar a esquina vê uma linda jovem sentada na porta da casa da Dona Adda, dispara o coração do jovem Fino, ele pensa em algo para chamar a atenção da bela moça. De repente vem uma ajuda do céu, uma bola é lançada para fora do colégio e cai próximo ao rapaz, ele sai gritando "Deixa que devolvo", e vai andando no estilo John Travolta até a bola, pisa em cima da bolota E quando ele olha nos olhos da tímida Izildinha e dá uma piscadela. Para se mostrar o rapaz começa uma Embaixadas fazer, Zizi suspira .. ele é tudo, foi quando ao dar o chute final para devolver a bola, como as calças justas Estavam muito, ao dar o chute ele se desequilibra e cai no meio da rua lotada de alunos e alunas. A moça não parava de rir, até que sua avó um manda entrar. Fino vai embora envergonhado, mas já pensa em uma forma de voltar ao local.



O tempo passa e logo Fino vai falar com o Adelino velho e pede a mão da bela moça em casamento.



A Casa Verde parou no dia do casamento, uma igreja prox. uma Rua Saguairu estava toda enfeitada com flores e um longo tapete vermelho, que ia da porta até o altar.



Os convidados não paravam de chegar, esposa e Caramico, Alfredo da Farmácia e Família, Guess e os bêbados, Bolinha, Tio Hugo, Tchalau ea Maria Sapatão, Litrão, Tadashi, Pelé, Muri, Sr. Luiz, Zappa, Gina do mercadinho, Trigo da perua, dona Olga boca roxa, Leguria eo falecido, Neusa e Zezinho, Sr. Garcia, dona Rosinha, Dona Lila, Dona Rosalina, Constantino, entre outras figuras da alta sociedade da Casa Verde.



O noivo se arruma e quando está pronto, de terno marron com quadrados desce, vermelho ele como escadas, chegando na porta olha para sua mãe que não batia velho Zé, em sua cabeça vem uma musica do Zezé de Camargo nenhum dia em que sai de Cada minha me disse filho vem cá .... ele chora .. e segue em frente.



Na casa da noiva não era diferente, ela estava atrasada, pois uma tia Jadir teve um probleminha com uma Fiscalização em seu comércio de roupas que funcionava nos fundos de sua casa. Em fim, uma noiva entra na caravana vermelha da vovó, o Pedrinho estava no volante e ao seu lado uma tia Solange. O Pedrão estava assoviando Perdido no quintal e tocando samba na caixa de fósforos, uma velha sai Jadir e não encontra o Pedrão no carro e grita "Puta que pariu Pedro a gente ta atrasado" e para ficar mais nervosa, encontra um no banco da Solange frente do carro e já vai falando "minha filha só vc vai na frente depois que eu morrer". Nisso chega o tio Hélio COM SUA veraneio acompanhado da dona Marlene, não Chiqueirinho do carro meu primo Helinho brinca com boneca de sua irmã Rose. Entram no carro uma dona Adda eo velho Adelino, titio enquanto faz uma manobra mordendo sua língua ouve uma voz gritando "Helinho, Helinho me espera pergunta" Ele: - Malene quem é?

Era um negrão com um terno branco da Harmonia do Peruche, Manezinho grande figura do carnaval paulista. A dona Adda ao ver o Fala Mane - Hélio passa por cima dessa rrrrraça - O Adelino manda a velha se calar e manda o Mane subir no carro. Tio Hélio pergunta para Marlene "pegou os pote de servagem parmito para dar para lua-de-mel da ZIRDA?"



Todos na igreja, de um lado a família da noiva e do noivo do outro, o casamento começa, Sr. Julio começa a bater as fotos primeiras.



Enquanto era realizado o casamento a mãe do Ratão preparava os croquetes e salgados no salão do Vasco da Gama para uma grande festa.



Na Igreja tocam o casamento começa, como cornetas, as portas se abrem. O noivo suava, ele olha para a porta e vê sua linda noiva Acompanhada de seu pescoço sem avô. O padre começa a dizer as primeiras palavras, o tchalau não agüenta e começa a chorar, tocam os sinos anunciando uma cerimônia acordando o velho Zé que dormia no confessionário. A Noiva coloca uma aliança sem noivo, e assim faz o mesmo com sua amada, uma dona Adda não agüenta e desmaia.



Os noivos saem da igreja um caminho da festa, antes o Sr. Julio pede aos Pombos parar para tirar fotos na marginal para.



No salão os convidados eram recebidos pela Chenchen do pastel de tezo e pela mãe do Ratão, Estavam todos acomodados quando o tio Hélio entra gritando - "sanfona enquanto seu Malene, Malele, chegaram", então um chuchu começa a tocar Asa Branca na filho Helinho dançava feito uma gazela salão não. Os noivos entram, o jovem fino já pede para colocar Ray Coniff na vitrola e começa a dançar uma valsa tradicional, vovó Jadir mamada já começa a dançar sozinha, uma minha prima Rose Contém Não se pega o microfone e começa a cantar musicas em Italiano.

Lá pelas tantas os noivos saem direção um Rodoviária do Jabaquara para tomar uma lotação sentido Santos, uma nova Sra. Delphino não se aguentava de calor, aquele fogo tomava conta de seu corpo, não via a hora de chegar na praia da casa.



Fino toma um banho (até hoje não é de costume), Zizi se esconde embaixo dos lençóis, chega o rapaz no quarto, pega o bruto e pergunta:

- Amor vc sabe o que é isso?

- Ai Fi que vergonha.

- Pode falar ... vai ..

- Ta bom, isso é um pipi.

- Não Zi isso é um caralho!

- Fi isso não é um caralho, era o caralho do meu primo que era desse tamanho ... srsrrr

No outro dia o casal sai para tomar um belo café da manhã na padaria, o jovem logo pede para impressionar - Dois pães na chapa e um café-com-leite.



A moça era só sorriso, brinca de bife a milanesa na areia do Boqueirão e come milho cozido na Barraca de Tonho.



Depois de uma semana e retornam para o capital no dia seguinte o Jumbo Eletro entrega os móveis ea cama nova. Enquanto era feita uma montagem dos móveis uma jovem chama o Fino para ir a casa da Dona Jadir. Jovem O Fino não podia ir na casa dos outros que ficava com vontade de cagar, chega na casa da velha, ainda tímido por ser novo na família pede para ir ao banheiro. O banheiro ficava fora da casa, o rapaz começa uma peidar e cagar sem parar, peida novamente, uma velha Adda entra e pergunta - "Jadir O que é isso rrrrrojão, é?" Uma dona baixinho Jadir responde - Não mãe, é o Fininho que ta no banheiro. Lá dentro do banheiro O Fino não sabia se cagava ou se dava risada, terminado o serviço o moço ve que tinha mais bosta do que Água no vaso e que uma descarga de cordinha não ia dar conta, a água não ia passar por aquele nem cimento fodendo. O rapaz puxa uma cordinha, a água desce e enche o vaso, o rapaz diz e da gargalhadas - estraguei o banheiro.



Enquanto na cozinha a mãe para filha pergunta:

- Zi pegou, vc não dele charuto?

- Peguei mãe.

- Filha ele passou a mão na bunda sua?

- Mãe Passou.

- Filha Bom, chega de enrolação, quantos bifes ele comeu?

- Mãe 2.

- Não é Possível (vovó toma uma)!

- Zi, seu pai na nossa lua-de-mel comeu 5 bifes, uma rabada e ainda lambeu uma frigideira .... sem falar que ele me chamava de rrussa no meu ouvido.

--



Fino volta a cozinha, pede desculpas a dona e Jadir diz que está envergonhado, que não costuma fazer isso na casa dos outros, mas pensa ... só quero saber como o Pedrão vai Desentupir aquela porra.



Manézinho toca a campainha e fala que terminaram de montar os móveis, rapidamente volta o casal e se encantam com uma mobília nova. Assistem o Repórter Esso e vão dormir na cama nova, no meio da noite um jovem acorda e chama seu amado marido ... Fi ... Fi .. acorda. Ele assustado grita ... que foi! O que é! ai meu Deus !!!!!

Fi de enjoada, acho que tô grávida! O Bigode fica mudo Branco, pensa .. fodeu! Levanta-se e começa um gritar e pular na cama, até quebrar, de felicidade. NÃO CONTÉM se, e corre pela casa gritando - eu sou o viadão da Floresta .. La .. La .. La .. Com tanto barulho a dona Joaquina acorda e corre para a janela para ouvir o que acontecia e diz .. "Nossa, que pegada, no meu tempo não era assim, uma dávamos e íamos dormir. Como nem eu nem o Gugu tínhamos nascido, o Fino teve que arrumar a cama. Foi até a casa do Chico Pinga e pegou uma lata de tinta e dois tijolos para calcar a cama, assim ela ficou por muito tempo.



O tempo passa e é hora da primeira consulta da jovem grávida, Fino coloca seu melhor terno (o mesmo do casamento) e leva sua esposa até a dra. Dorinha e ao Dr. Roberto Nicoletes. Os especialistas falam que será um meninão e tinham razão, ia pesar 170 kg.



Zizi brigava com o português por causa da fumaça que ia na sua roupa quando Estoura uma bolsa, ela vai para o meio da rua e Zilda entra na loja pedindo ajuda do Sr. Luiz, o japonês estava com cliente e não pode ajudar. Entra na loja do tio Hélio, que na mesma hora liga para um Malene e pede para preparar o carro que ia nascer o meninão.



Um jovem é internada no hospital da Cachoeirinha, onde um começam chegar os familiares e colegas de trabalho do Fino. Chegam o tio Hugo com a dona Maria, Seu Zé, tia Vitória ea Virgem de Fátima (na mesma situação até hoje). Dona Maria pergunta: - Cainho armoçou vc? O velho Zé se ajeita não dorme e sofá, uma tia Vitória que fala um Benirde ta chegando. Na sala de espera está a dona Adda, Dona Virgínia que não paravam de rezar para todos os Santos, na porta do hospital uma dona Jadir ea Diva faziam uma macumba para o Preto Velho. Chega o Manézinho com a bateria do Peruche, Solange um chega vestida de porta bandeira e começa a batucada ea macumba corre solta. Tio Hélio vem correndo e grita "Malene, Malene nasceu!! Fino fica nervoso e vai cagar ... diarréia, diz e volta "estraguei o banheiro do hospital. Tia Jadir entra e vê seu neto pelo vidro e fala para todos ouvirem: ESSE É MEU REIZINHO!!



Depois de cinco dias uma jovem mãe volta para casa e começa a paparicar seu filho, passa óleo no nariz e Colônia de rosas. O menino não havia puxado o pai, estava com dificuldades para evacuar, Zizi preocupada liga para sua mãe e conta o problema. A velha diz Jadir - "filha não preocupe, o neguinho também era assim, enfiei uma ponta de rabanete dele no rabo e olha, ta cagando que é uma beleza, mas, filha cuidado, acho que o neguinho gostou."



Passa-se quase dois anos, Zizi prepara uma marmita para seu marido, coloca o radinho era (como chamada marmita de alumínio na época) dentro da bolsa e diz, - Bom trabalho meu amor. Aquele fogo começa a tomar conta novamente da jovem que já pensa como será à noite. Vai até a mãe do Ratão uns salgadinhos encomenda, passa no tintureiro e deixa umas roupas para passar. Aproveita e passa na veia boca roxa perfume da Avon para comprar um, vai ao Salão da Madalena, onde faz as unhas e depilação artística (aquela que deixa um coração nos pelos íntima parte da, da (buceta mesmo) dá um tapa no cabelo. Visita a loja de macumba da Rua do Colombo e pede umas Essências Afrodisíacas uma dona Inês.



Prepara-se e espera seu amor no alto da escada, 18:30, Fino chega em casa, uma fogosa faz uma cara sexy e diz - "Fi, me depilei". Ela serve o jantar e diz com voz de tele-sexo e com um dedinho na boca .... Fi, bife fiz! Durante o jantar ela fala - Fi, o Luiz dormiu. O jovem capta o recado e vai êáôÜøõîçò tomar banho, sai correndo do banheiro e se senta na cama da Beira, capiloton passa mamãe e Penteia o bigode do papai e diz que adora o cheiro desse Tonico capilar.



Dona Joaquina percebendo um movimento diferente na casa, vai para a janela.



Três meses depois Zizi vai a farmácia não tem Koga onde o resultado que estava novamente grávida. Sua barriga cresceu muito, mas muito mesmo, causando dores nas costas e dificuldades para andar. Dias antes do parto sonha com Zizi como melancias de seu avô, um aviso era isso, o pior estava por vir. Fino nem imaginava que seu brinquedo nunca mais seria o mesmo. É chegada a hora de nascer seu segundo filho, toda aquela festa no hospital, uma macumba correndo solta o pagode rolando, quando começam um ouvir gritos e mais gritos da jovem. O menino tinha uma cabeça muito grande, mas muito mesmo, não conseguia passar ... 3 horas depois nasce o menino. Todos dizem é a cara da Mirian e da Jadir, a mãe viu o menino só uma semana depois, pois, estava se recuperando do trauma.



A família crescia, Fino no auge de sua carreira corre em casa para almoçar e aproveita que as crianças dormiam e pimba No mesmo tanque. Dona Joaquina, que horror fala ... esse homem é um maníaco.


MEDICAMENTOS



Estava veja hoje a recordar de alguns dos medicamentos usados por nós,:

Melhoral, Cibalena, commel, saridon, Novalgina, Alka-Seltzer, sonrisal, Magnésia de Philips, bisurada Magnésia



Phimatosan, Biotônico Fontoura, óleo de fígado de bacalhau, Óleo de Rícino, Pílulas Dr. Ross



Sal amargo, bicarbonato, lacto purga,



Pomada São Sebastião (cura feridas dos pés e das mãos), Pomada Minancura.



Mercúrio Cromo, Iodo, sulfa,

Emplasto Sabiá, Regulador Xavier (1 nr nr 2 Excesso Escassez)



Tinha gente que tomava: dexamil e perventin (para não dormir).



Poucas vezes fui ao médico, só me lembro ter visitado uma vez o Dr. Walter Elias no Morro do S.





Próxima Página







IV CENTENARIO DE SÃO PAULO - CORINTHIANS CAMPEÃO

Eu tinha apenas seis anos quando São Paulo comemorou o quarto centenário. Lembro tão bem! Meu tio nos levou ao Anhangabaú para ver o espetáculo dos fogos eo mais bonito, que até hoje lembro com saudade: uma chuva de prata! Que coisa mais linda que foi! triângulos eram prateados que caiam do céu. Eels Caiam brilhando, brilhando! Durante muito tempo guardado tive um, meu tesouro era, mas não sei como o perdi. Quando fez SP 450 anos pensei: quem sabe vamos ter alguma coisa parecida? Doce ilusão, mas não faz mal, pelo menos eu tenho a minha doce recordação daquela chuva de prata.



O Corinthians ganhou o Campeonato Paulista do Quarto Centenário ao empatar com o Palmeiras em 1x1. No dia seis de fevereiro de 1954, São Paulo parou para festejar um dos mais importantes títulos da história do Corinthians e do IV Centenário de São Paulo


CINE D. JOSÉ - RUA LUCILA - CASA VERDE


Lá pelos idos de 1960 era muito comum irmos a Matines para assistir filmes de faroeste e seriados americanos do Nashionaro Kid, uma sessão Iniciava-se as 14:30, ele ia até ás 17:00.

Era muito divertido, pois além paquerávamos lá do filme nos como e meninas vez ou outra saia até um beijinho,

Tinha também um bombonieri que vendia pipoca refresco de groselha, balas e chocolates.

Antes de começar o filme era uma bagunça maior, era um entra e sai, conversas em voz alta, risadas, paqueras tocavam músicas de sucessos e também com o som muito alto, alguns dançavam, outros cantavam, outros imitavam os cantores, era muito engraçado .

Das músicas eu me lembro dos The Clevers (OS INCRIVEIS), com o sucesso os milionários. Tinha um amigo português (que já se foi) que ficava imitando o guitarrista, o Babado imitava o saxofonista, o Bolinha imitava o baterista, putz grila de risada era só.

Fui até o You Tube e felizmente encontrei uma musica dos clevrs com vídeo, então copiei e coloquei em meus vídeos, se vc quiser ouvir é só acessar.

Ia esquecendo, tinha briga também, quando era dentro do cinema todos eram mandados para fora pelo lanterninha.



INDEPENDÊNCIA DO BRASIL

Dia 07 de setembro de 1822, portanto há 187 anos, o comedor Príncipe Regente D. Pedro, como margens do rio Ipiranga, depois de uma violenta diarréia, desembainhou sua espada e gritou INDEPENDECIA OU MORTE, a partir desse momento o Brasil separou-se de Portugal eo Príncipe virou o Rei do Brasil com título de D. Pedro I.

Quero aqui prestar minhas homenagens e esse grande patriota e aproveitar o espaço para deixar minhas homenagens também para outro grande patriota "EU MESMO".



Boca do Luxo 1965



Quando fiz 18 anos passei a dar vôos maiores, fui conhecer a vida noturna do centro de São Paulo, principalmente a chamada Boca do Luxo, com suas belas e luxuosas boates.



Hoje não existem mais boates com aquele luxo, show com, strip-tease, mulheres bonitas e bem trajadas, belos carros importados circulando, aquele maravilhoso Quadrilátero das ruas Rego Freitas, Bento Freitas, Major Sertório, Rua Araújo, era uma mais bonita que uma outra, eu ficava encantado, pois até então eu só conhecia os bailes dos clubes da Casa Verde e os bailinhos de garagem.

Quando resolvi conhecer um como boates da boca do luxo lembro-me que foi em uma sexta-feira,

Já passava das 22:00 h, 74 Peguei o ônibus, desci na av. Entrei na Rio Branco, Ipiranga, dei uma passada sem Zeffir Expresso e Conversei com um colega, depois entrei no Maravilha que estava bombando, pois estava acontecendo uma partida de bilhar valendo muito dinheiro, continuei atravessei a São João, olhei para o relógio do CITY BANK E já era quase meia noite, parei na Salada Paulista, comi um sanduba de salsicha e tomei esmagar uma, entrei na São Luiz e fui até a Galeria Metrópole, que também estava muito movimentada, continuei, passei pelos Edifícios Itália, Copan, Hotel Hilton e por final, Rua Major Sertório.

Na Major Sertório um uns cem metros da Av. Prof. Ipiranga estava a LAVE BOATE EM ROSE, parei na porta e fiquei observando o andar da carrruagem, na porta dois enormes leões de chácara, com cara de poucos amigos, era um entra e sai, gente bem vestida, mulheres lindas, uma mais bonita que a outra, na parede um cartaz informava que às 3:00 horas aconteceria um strap-tease com um internacional (não lembro o nome), só lembro que era boa mesmo.

Eu estava tremendo, para variar estava com pouco dinheiro (quando não varia também estou), pensava: entro ou não entro, entro ou não entro, resolvi vou entrar.

Antes Conversei com um dos leões de chácara, perguntei e ele como era o esquema lá dentro, ele respondeu:

- Não é cobrada uma entrada, mas lá dentro o consumo é obrigatório, ou você consome ou é convidado a sair.

- Respondi ok, obrigado e entrei.

Lá dentro fiquei maravilhado mesmo, como lindas mulheres circulavam com roupas intimas, nas mesas de pessoas bebiam e fumavam, alias o ambiente era todo enfumaçado de tanto que fumavam, eu estava de boca aberta de tão feliz, minhas costas bateram em, o garçon era , perguntando:

-Vai tomar o que?

-O Você tem que no cardápio?

-Whisky, Chopp, fogo paulista, conhaque, gin Tonica, Cuba libri bla, blá, blá.

-Então manda um Gin Tonica.

Continuei a observar, olhava a decoração, o palco, amassando os casais, chega o garçom me servir o gin Tonica e me entrega a comanda, pqp, foi o gim Tonica mais caro da minha vida, paguei e fiquei só com o dinheiro da condução para voltar, mas tudo bem eu queria ver o streap tease.

Encosta em mim um lindona morena, cabelos longos, belos seios, coxas roliças, de mini-saia e fala:

Oi Gatão, sozinho esta?


VELHARIA II PIXIXE



Hoje lembrei-me da casa da minha avó, lembro de uma sala grande com Assoalho de Madeiras encerado e largas, andavam pela sala quando ele Rangia, do lado esquerdo tinha

Uma enorme cristaleira onde ela guardava pratos, copos, xícaras, cálices, bombonieri,

Tudo bem arrumado, penso que ela nunca usava nada.

(Móvel Destinado a guardar vasos de cristal, copos, etc .......)

No quarto tinha um móvel que me deixava curioso, pois sempre eu ficava Xeretando,

Tinha


FOTOGRAFIAS


Na década de 60 retratos tirar (fotografias) era difícil e custava caro, primeiro tínhamos que pedir uma máquina emprestada de algum parente, depois tínhamos que comprar o filme (Kodak), tinha os de 12, 24 e 36 poses, pedir para o fotógrafo Colocar o filme (branco e preto) na máquina, pois se ao abri-lo recebesse velava Luz (queimava), então todo cuidado era pouco. Pedíamos também para o fotografo regular a máquina para dia de sol.

E lá íamos nós para o Zoológico praia, festinha, bater fotos.

Depois das fotos tiradas voltávamos ao fotógrafo para ele tirar o filme da máquina, pois o mesmo não podia Luz Receber, mandávamos revelar e esperávamos uma semana para ver as fotos. Das trinta e seis fotos aproveitávamos umas dezoito, pois como saiam tremidas demais, ou muito escuras ou com sombras, era uma tristeza.

Depois surgiu o filme colorido, mas com máquina especial e custava o dobro do preço do Preto e Branco.

Pensar que podemos hoje em tirar uma só câmera mais de quatro mil fotos e vê-las na hora ou alguns minutos em revelar, com o custo quase zero.

Tinha os artistas fotógrafos, pois enguias coloriam as fotos manualmente e também cobravam um preço alto para isso.

Nas praças fotógrafos era comum ter, eles eram chamados de lambe-lambe e revelavam as fotos em alguns minutos ea foto ficava HORRRROSA.

Tenho em meu álbum no orkut duas fotos coloridas a mão, uma com três meses de idade e outra lá no quartel.Veja.

MINHAS HOMENAGENS A TODAS AS MARIAS DA MINHA VIDA.

Namoradas, amigas, colegas, conhecidas, parentes e minha mãe



MARIA

Maria Adélia, Maria Adelaide, Maria Alice, Maria Helena, Maria das Graças, Maria do Socorro, Maria Luiza, Maria Paula, Maria Isabel, Maria Izabel, Maria Fernanda, Maria Zenaide, Maria Zélia, Maria da Conceição, Maria Pia, Maria Ângela , Maria Vilma, Maria João, Maria dos Anjos, Maria Cleusa, Maria de Fátima, Maria de Lourdes, Maria Aparecida, Maria Cecília, Mariazinha, Maria Ignês, Maria Cristina.

Na década de 60 era muito comum o nome de Maria.

EU SOU O SENHOR EX

EX-AJUDANTE DE SAPATEIRO

EX-BALCONISTA DE FARMACIA

EX-OFFICE-BOY

EX-AUXILIAR DE ESCRITÓRIO

EX-AUXILIAR DE CONTABILIDADE

EX-TÉCNICO EM CONTABILIDADE

EX-AUXILIAR DE COMUNICAÇÃO VISUAL

EX-VENDEDOR DE DOCES A GRANEL

EX-ASP0NE (assessor de porra nenhuma)



MUDANÇAS



Em 1985 eu morava Juntamente com meus filhos e meus pais nessa casa da foto, na foto pode-se ver meu fusca vermelho, eu sentado na varanda com um dos meus filhos, na frente que um belo jardim florido na primavera ficava com rosas e margaridas , lá passávamos as tardes de domingo jogando conversa fora, apreciando o movimento e comentando sobre as moças bonitas que Passavam por lá.

Depois de muitos roubos e assaltos resolvemos fechar tudo com um enorme portão de ferro Inúmeras qualidades e eo atual dono um Manteve até hoje assim.

Agora eles vivem engaiolados e não vêem mais a rua e por lá não passam mais moças bonitas Segundo o atual proprietário obteve mim.


MUDANÇAS II

A ÁRVORE

No fundo da foto podemos ver uma árvore, essa árvore foi plantada pela antiga Proprietária Dona Ivone em 1960, então quando me mudei para essa casa uma árvore já contava com 25 anos de idade. Era uma mangueira com mais de 15 metros de altura e enormes galhos com que nos proporcionava nos dias quentes de verão uma gostosa sombra onde eu ficava horas e horas deitado na rede a me balançar, isso sem contar com as belas mangas que colhíamos de novembro uma Janeiro, cheguei a colher mangas enormes com quase um quilo de peso, era uma farta colheita, colhíamos caixas e caixas de mangas, em casa era uma festa, pois fazíamos suco de mangas, sorvetes, saladas, doces e ainda distribuíamos o excesso aos vizinhos , enquanto que caiam no chão meu cachorro Rambo como Chupava, ele não saia de baixo da árvore a espera da queda de mais uma.

Mudei-me dessa casa no ano de 2001 e voltei a visitá-la em 2009 e para minha surpresa uma árvore já não existia mais, Conversei com o atual proprietário eo mesmo me obteve o seguinte:

- Fui obrigado a machado o metro na coitada, pois os visinhos Estavam reclamando que as raízes do pé de manga Estavam invadindo suas casas e levantando o solo, além de entupirem as folhas como calhas.

Respondi:

- Que tristeza, pois e tenho grandes recordações dela, embaixo da coitada eu comemorei meus 50 anos de vida com uma grande festa, também brincava com meus filhos na balança com que uma ponta de uma corda amarrada a ela um pneu e na outra ponta fazia um dos Peraltas alegria, também amarrava o cachorro bravo quando recebia visitas.

O Sr. Simpson (apelido do proprietário atual), pessoa educada, de boa aparência, alta e muito forte, parecia um guarda-roupas, respondeu:

-É uma lástima mesmo, mas não pude fazer nada para salva-la, pois os visinhos fizeram um baixo assinado e levaram para a prefeitura e esta mandou-me uma intimação onde dizia que eu tinha o prazo de 30 dias para derruba-la, E assim foi feito.

Continuando o Sr. Simpson disse:

-Não fique triste Ir. .. Sr. Qual é o seu nome?

- Luiz Delphino, respondi.

- Então Sr. Luiz, para compensar eu plantei um pé de abacate lá no meu sítio e ele já esta com mais de 2 metros de altura, espero poder fazer tudo que o senhor fazia com o seu pé de manga.

Comecei a chorar eo Sr. Simpson Juntamente com seus filhos me abraçaram e choraram também, depois eles me convidaram para almoçar eu aceitei e quando entrei na casa dele fui recebido por um cachorro de 15 centímetros de altura, comecei a chorar outra vez, lembrei - me do meu pastor alemão de quase 1 metro de altura, pensei que mesmo coisas mudaram.

Almocei, tomei um café, agradeci uma recepção me despedi e fui para casa muito triste.

Entrei no portão ao lado subi 52 degraus e fui dormir.



RECORDAÇÕES? POR QUE NÃO?



Quando envelhecemos passamos a recordar o passado, Tentamos apagar da memória os acontecimentos ruins, esquece-los, deletá-los, nem sempre conseguimos, vez ou outra me surpreendo a recordar o que eu Gostaria de nunca mais recordar.



Não vou escrever sobre tais acontecimentos, pois os mais tristes já consegui deletar, limpei a memória, mas eu tenho um backup deles, ele estão lá fundo, não, não vão embora.



Fico pensando quantos bites terá uma memória minha? Com todos esse anos de vida Penso que seja de 1 GB, sei lá.



São 535,680 horas de vida, levando-se em conta que quando dormimos não para a memória, pois sonhamos todo o tempo.

Quem sabe seja mais ou 1 GB, não sei mordidas em calcular, vou enviar esses dados para um NASA PARA ELES calcularem mordidas em minha vida.

E também se possível trocar o HD velho por um novo.



535,680 horas: 24 = 22,320 dias

22,320 Dias: 30 = 744 meses

744 meses: 12 = 62 anos

Brincadeiras a parte, eu Gostaria de recordar somente os momentos felizes, mas não é bem assim, pois os ruínas nos perseguem, por mais que Tentamos esquece-los sempre estão voltando a nos atormentar.

Deixa prá lá, estou nas ultimas voltas do mesmo circuito, pra que pensar nisso, vou aproveitar o que me resta.

Depois penso, que o aproveitar? Aposentado, ganhando uma merreca do INSS, pechinchando na loja de R $ 1,00, Reciclando pó de café, dando uma descarga por dia no banheiro, ficar acordado a noite toda para poder dormir de dia e não sair na rua. Vender o almoço para comprar uma janta. (janta mesmo não é jantar). Viver olhando com os olhos e lambendo com uma testa não dá, é melhor mesmo ir para o outro lado.

CONTINUA NA OUTRA MADRUGADA.



NÃO DÁ PARA ENTENDER





1-cigarros Contrabandear do Paraguai é crime, mas vende-los não é.

2-Fabricar DVD piratas é crime, mas vende-los não é.

3-Um Réu e Condenado a 30 anos de Reclusão, mas só cumpre seis anos.

4-Vender drogas é crime, mas E.U.A.-las não é.

5-Jogos de azar é proibido, mas o governo tem vários jogos de azar.

6-O povo elege raposas para tomarem conta de Galinheiros.

7-Alunos das escolas públicas não repetem de ano, se sabem passam se passam também não sabem.

8-Não existem mais matérias decorebas. Ninguém sabe mais tabuadas, estados e capitais, paises e capitais, rios e afluentes de Salteados e cor, etc, etc ......................... .......

9-Por que um funcionário público se aposenta com salário integral e tem correção igual aos da ativa e eu aposentei-me apenas com 1 / 3 do salário e um ano defasando vem ano.



INDEPENDÊNCIA DO BRASIL



Dia 07 de setembro de 1822, portanto há 187 anos, o comedor Príncipe Regente D. Pedro, como margens do rio Ipiranga, depois de uma violenta diarréia, desembainhou sua espada e gritou INDEPENDECIA OU MORTE, a partir desse momento o Brasil separou-se de Portugal eo Príncipe virou o Rei do Brasil com título de D. Pedro I.

Quero aqui prestar minhas homenagens e esse grande patriota e aproveitar o espaço para deixar minhas homenagens também para outro grande patriota "EU MESMO".


Coisas pequenas que marcaram


Minha mãe, minha avó e minha tia sempre que a família se Reunià elas faziam algo diferente, estava lembrar um:


Bolinho de chuva

Pasteis

Paçoca

Bolo (um bolo simplesmente, sem nada sem recheio)

Bolo de fubá com erva doce muita

Nhoque

Macarrão caseiro

Limonada

Salada de frutas com groselha

Suco de laranja (mais água do que laranja)

Bala de coco

Bala de caramelo

Polenta com molho e queijo

Gemada com vinho ou com leite e canela em pó

Chá para tudo

Vários tipos de chá:

Chá mate, chá preto, chá de erva-cidreira, chá de hortelãs, chá de poejo, chá de camomila, chá de erva-doce, chá de boldo.



Em casa não tinha: batedeira, liquidificador, Espremedor de frutas e nem existia vendas de chás em saquinhos.



Nunca mais vi ninguém preparar nada disso em casa, compra-se tudo pronto e com conservantes, acidulantes, corantes, gordura trans e mil outros conservantes.



JOGO DE MALHAS


Lembra ????????

Quando os velhos da época jogavam nas ruas malha?

As ruas não eram asfaltadas e os velhos de camisetas e regatas Tamancos ficavam a tarde toda jogando malha.

A rua tinha que ser bem plana e varrida para um deslizar poder malha.

O jogo é disputado por duas equipes de dois elementos cada. O equipamento é constituído por dois pares de Malhas (discos ou patelas de ferro) e dois pinos. Existem variantes na forma sem peso, mas, por regra, cada malha e pesa entre 500 a 600 gramas. Pode ser circular, mas normalmente apresenta uma forma octogonal para melhor adaptação à mão.

As vezes tinha chamada era briga e uma Rádio Patrulha, mas ficava tudo por isso mesmo, ninguém ia preso.


JOGO DE BOCHA



Também os velhos jogavam bocha, mas esse jogo tinha pista especial e era complicado um pouco.



O jogo de bocha é um esporte jogado entre duas pessoas ou duas equipes, que Consiste em lançar bochas (bolas) e situá-las o mais perto Possível de um bolim (bola pequena), previamente lançado. O adversário por sua vez, situar Tentara como suas bolas mais perto ainda do bolim, ou como removedor de bolas dos seus oponentes. O comprimento da cancha-padrão é 20,5 metros. A maioria de pessoas que praticam o esporte é idosa.

Eu me lembro de duas pistas para bocha aqui na zona norte, nos fundos era uma do Bar do Caki na Casa Verde Alta ea outra na Av. Prof. NÓS TAMBÉM Imirim Fundos de um bar lá perto do cemitério Chora Menino.

Aos domingos havia disputa entre bairros ea casa fica lotada, vez ou outra saia Briga entre torcidas como era e porrada para todo lado.


Até tempos atrás o Clube de Regatas Tietê mantinha pistas de bochas, não sei se ainda estão lá, mas no interior de São Paulo A maioria dos clubes mantém como pistas e equipes como São assíduas.


B I L H A R (SINUCA)




Na década de 60 tivemos a febre do bilhar, todos queriam jogar bilhar, como não tínhamos problemas com espaço muitos bares tinham mesas de bilhar, também tinha salões enormes com até 30 mesas de bilhar. Jogava-se por lazer, jogava-se a dinheiro ou valendo alguma despesas no bar.

Existia os jogadores amadores e os profissionais, os profissionais viviam de apostas no dia Passavam e bilhar e noite jogando, jogadores eram bons, pois iniciavam uma partida e sem errar nenhuma vez encaçapavam todas as bolas.



No centro da cidade tínhamos O Maravilha, ficava em um enorme salão na av. Ipiranga e com mais de trinta mesas de bilhar e funcionava durante as 24:00 H do dia e sempre estava lotado de jogadores, pois jogavam lá os melhores profissionais de São Paulo, alguns ficaram conhecidos nacionalmente como o Rui Chapéu, Carne Frita, Praça.

O maravilha era freqüentada por todo tipo de pessoas, havia os jogadores profissionais, amadores, trabalhadores, Batedores de carteira, prostitutas, Alunos e Professores, o outra vez sai briga entre os jogadores era roubado ou alguém.



Na Casa Verde eu me recordo do Bar do Pola que ficava na Rua Zilda e tinha mais de 20 mesas e também vivia lotado de jogadores.



Bar do Cruz da Esperança ficava na praça com o mesmo nome e também conhecido como Largo 74, lá havia três mesas lotadas e dia e noite Estavam.



Na Rua Dr. César Castiglione Jr, antiga Rua Inhaúma também tinha um enorme salão no piso superior.



E muitos outros bares espalhados pelo bairro com apenas uma mesa e ficava-se na fila para poder jogar.



Eu gostava de jogar 21, matava quem como bolas e atingia 21 pontos e vencedor recebia era uma aposta dos demais jogadores.



Sinuca é um jogo de mesa, taco e bolas praticado no Brasil, e Constitui uma variante do snooker, um jogo de mesa inventado em 1875 na Grã-Bretanha. Neste jogo dois adversários Tentam colocar num dos seis buracos da mesa as bolas coloridas (não brancas) na seqüência definida pelas regras. Pode ser jogado individualmente ou em dupla. Numa mesa de 2,84 m X 1,42 m (medida) brasileira, são colocadas oito bolas, com pontuação de 1vermelha) a 7 preta () mais a bola branca.


LARGO 74 - CASA VERDE



Porque a Praça Cruz da Esperança era conhecida como Largo 74?


Lá é uma pracinha e um tanto acanhada na época lá fazia ponto final o ônibus da CMTC (Cia. Municipal de Transportes Coletivos) Linha 74-Casa Verde-Paissandu e ficou lá por vários anos.

Então o pessoal dizia: - Lá na pracinha do 74 ou lá no Largo do 74.

De saia lá também uma lotação para o Largo Paissandu, me lembro dos carros pretos FORD E CHEVROLET, na época já eram bem rodados, pois eram dos anos de 1945 um 1957 eo valor da passagem era o dobro da do ônibus, daí lotação só quando Eu estava muito atrasado para o serviço.

Depois de algum tempo um CMTC instalou uma linha de ônibus elétrico que fazia o percurso Casa Verde - Casper Libero, via Santana e era muito lento, demorava mais de uma hora para fazer esse percurso.

Anos depois a Auto Viação Brasília instalou a linha Casa Verde-Lapa, Cujo praça era ponto final também.

Depois de alguns anos.

A Auto Viação Brasília expandiu o trajeto dos ônibus até a Casa Verde Alta, como lotações também começaram a ir até uma lá e diminuiu bastante o movimento da Praça Cruz da Esperança e por esse motivo várias casas de comércio encerraram as atividades.

Atualmente a tal praça é muito tranqüila e com pouco movimento.

Os.: Era Motorista Chofer do francês Chaffeur, quando na Praça era chamado de chofer de praça.



Nomes Estranhos



PALMIRA ROLAS DURAS

MIRO LOPAU DOFINO

THOMAZ Turbando
ALIZIO PINTO JUNIOR

THOMAZ PINTO

OSCAR ALHOS

PAULA Nokuta SEMPRY


AMANDA OPAU LATRAS

IVO KAHGAR

TADEU OKUJA

FANI KITO

IVAI THOMAZ Nokuta

AGOSTINHO LARGO DO REGO

ADÃO Mesmu


ASTOLFO DYDO

WALERIA A. PENA


XUXA OSSACO


H. ROMEU PINTO


IRAILDE BARCU


YAMAHA NOPOSTY


OSMAR SALGADO


GUIOMAR Mesmu

SARA DAGRIPY

CARMELA ROSCA


DORA ACEBOLAY


CARMEN DOYN


MARIA DAS DORES NOZCEYOS


MARIA DO SOCORRO LASDRÃO


MARIA PYA DACUZYNHA


EULÁLIA DeTudo

Fraldas de Pano




Na época não fraldas descartáveis Existiam, os bebês usavam fraldas de pano e um tal de Cueiro e depois uma calcinha plástica para não vazar e alfinete para segurar ..

Havia as mães mais sossegadas que quando tiravam as fraldas dos filhos que não lavavam e de imediato como deixavam nenhum tanque para lava-las depois e isso não deixava um tanque mau cheiro terrível.

COPIADO (depoimento de uma mãe)

Quando tive meu primeiro filho, não Existiam fraldas descartáveis e quase também eram muito caras. Eu gastava em média, nos primeiros meses, umas 40 fraldas, mais como calcinhas de plástico e as fraldas de flanelas dia para a noite, por! Imaginem duas crianças com, aí a coisa ficava preta.

Varais Varais e mais só de fraldas. Sem deixar de lembrar de que ainda tínhamos que clarear, alvejar, e depois passar a ferro para matar os possíveis micróbios do ar.

Vivas uma fralda descartável!

Os Naturalistas que me perdoem, mas acredito que vale o preço Que Pagaremos futuro não, pelo uso destas benditas fraldas.

Salvo algumas exceções os bebês já tem não alergias ao material descartável e aguentam bem, pois e sequinhos ficam felizes os sem Incômodos alfinetes e dos elásticos das calças plásticas.

X-X

Imaginem em casa com cinco crianças, tínhamos mais de duzentas fraldas de pano.



Eu fico recordando o passado, mas atualmente ficou mais fácil de se vive. Na época não tínhamos quase nada de produtos descartáveis.


Bailinho da Farmácia (1965)




A Farmácia do Alcides ficava na antiga Rua Cachoeirinha, atual Elias Gannan, depois se mudou para a mesma rua, então o prédio ficou vazio. O Justo do Colombo de Almeida com mais alguns colegas alugaram o antigo prédio da Farmácia e passaram um bailinhos realizar nos finais de semana e deu certo.

A casa ficava jovens com super lotada do Colombo de Almeida, Liceu, NSD, Bernardino de Campos, Matão, entre outros.

O DJ era o Justo que tinha uma grande coleção de LPs com todos os sucessos da época e um potente rádio vitrola com várias caixas de som.

O mais frequentado era realizado aos sábados no horário das 20:00 às 24:00 h, muitas meninas iam Acompanhadas pelas mães ou do irmão mais novo.

Quem sabia dançava samba rock, bolero, cha-cha-cha, twist, E quem não sabia aprendia.

As musicas mais tocadas eram: Ray Connif lamer (), A casa de Irene, Champagne, uma Casa do Sol Nascente, Rita Pavone, Beatles, Sergio Endrigo, Luigi Tengo, Gigliola Cinquentti,

Los Hermanos, Tijuana Brás, Elvis Plesley, Frank Sinatra, Brenda Lee, Chubby Checker,

Roberto Carlos, Trio Los Panchos.

No inicio não vendiam bebidas alcoólicas, depois passaram uma cuba libre vender, samba, --

Oi-fi, caipirinha de vodka, caipirinha de pinga.

O Baile ficou famoso E começou a ser frequentado por jovens de outros bairros e com a venda de bebidas alcoólicas começaram as brigas, todos os sábados tinha uma briga e os vizinhos chamavam a policia, foi indo assim até que o delegado proibiu os bailinhos.

Foi bom enquanto durou, pois lá eu conheci várias meninas tive algumas namoradas e aprendi a dançar um pouco, aprendi mais o coladinho que quebrava o galho nas musicas lentas, mas nunca aprendi a dançar mesmo.

Felizmente começaram os escuderías das bailinhos e que virou febre, não ficavamos um sábado ou domingo sem ir um bailinho um, visto o grande numero de escuderías Surgiram que no bairro, tínhamos uma Esmeril, Xabunga, Pato, Mangusta, sendo essas as mais famosas.

Escuderia Uma era formada por jovens que tinham parcipavam e carros de gincanas promovidas pela TV Record e bailinhos realizavam para angariar Fundos para Cobrir os gastos nas gincanas.



Eu e meus amigos não tínhamos carros então resolvi fundar um EQUIPEDESTRE, que também organizava bailinhos nos finais de semana e não cobrava entrada, até que deu certo, pois realizávamos bailinhos nas casas dos Associados, tínhamos o da Laje do Caramico, a Casa da Adelina, Casa do Zago, uma sapataria do meu pai, mais esses eram os Constantes.

Esses bailinhos vários casamentos em Resultaram alguns CASAIS e estão juntos até hoje, e que aproveito para enviar-lhes meus parabéns.
PS.:
O justo morreu atropelado na Av. Prof. Eng.Caetano Alvares há uns dez anos.



CENTENÁRIO F. C
1965 + --


Tinha um bailinho muito bom na sede do Centenário FC que fica na Rua Baroré perto da Praça Centenário, o salão era pequeno, então A maioria dos jovens ficava na rua bagunçando, até um dia que os vizinhos irritados com tamanha algazarra nos finais de semana resolveram chamar uma reportagem do Jornal Notícias Populares, aquele que uma gente espremia e saia sangue.

A reportagem saiu na primeira pagina dizendo horrores dos jovens que freqüentavam o Dito Cujo, diziam que os jovens usavam drogas, faziam sexo atrás das árvores da Praça, que quebravam e bebiam como calçadas nas garrafas e que sempre havia FACADAS com brigas e mortes. Tudo mentira nunca aconteceu nada disso, eu sou testemunha, eu estava sempre por lá e nunca vi nada disso. Conclusão:

Após essa reportagem acabaram os bailinhos e não sei o fim do Centenário FC



Só para constar:

Em frente ao Centenário Futebol Clube havia o dispensário (tirava chapa dos pulmões) que era obrigatória sua apresentação na admissão de qualquer emprego, isso dado ao grande numero de tuberculosos que havia na época e que estava sendo erradicada pelo ministério da saúde.




Bilboquê


Minha mãe tinha um e dizia que na década de 30 era moda e que as moças andavam na rua praticando o Bilboquê.

Ela tinha muito ciúme dele e ficou com ele até os últimos dias de vida, antes de falecer fez questão de presenteá-lo para uma neta, (Aline).

Vez ou outra eu brincava com ele tentando encaixar o pau nenhum buraco.

Fiquei pensando porque ela guardou por mais de 60 anos esse brinquedo, conservado sempre bem limpo e, lembro que ele é de madeira maciça e envernizado.

Acredito que ele lhe trazia grandes recordações, recordações da infância, da adolescência, dos namoradinhos, dos passeios com as colegas, das risadas, das tristezas e dos momentos felizes.

Dizem que quem vive do passado é museu, mas é bom ter um museu dentro de nós, caso contrario não estaria aqui a escrever mais com fatos de 80 anos.

Copiado

Bilboquê é um brinquedo antigo que Consiste em uma esfera de madeira (ou de forma semelhante), com um orifício central, e presa por uma corda numa espécie de suporte. Através do movimento das mãos, esta bola DEVE ser encaixada no suporte.

E foi só um tempinho pra brincar mudar de idéia. O objetivo do Bilboquê é simples: encaixar uma bolinha sem cabo. Sem pilha, sem filhos ou Lusinha, mas com muito mistério. Meros mortais não conseguirão nem na primeira, nem na segunda, nem na 15 ª tentativa

Apesar de toda uma perfumaria, o Bilboquê é um brinquedo bacana. Com ele a gente aprende que há certas coisas em que tudo tem que dar certo. Altamente recomendado pras pessoas com muito tempo livre. A sensação que se sente quando finalmente uma parada funciona é impagável.


Casa da minha Avó
Casa da Nona
Eu pensava que minha avó morava na cozinha, pois ela não saia de lá, passava o dia todo na cozinha, ela ouvia lá como novelas da Rádio São Paulo, lia, bordava, recebia visitas e principalmente cozinhava, TODOS OS DIAS tínhamos uma novidade.

Tinha também um paneleiro que portava panelas de alumínio em todos os tamanhos, formas de bolos, forminhas, grandes garfos, escumadeiras, conchas ea cada quinzena areava ela era todas até ficarem brilhando.

Me lembro que ela usava Cito como para arear panelas (cito varíola Parquetina).

Hoje a criança chega em casa e não tem ninguem na cozinha e nem em casa, vai para uma TV ou computador, a noite chega uma mãe e ou tras esfhia pizza para o jantar.

Aposto que essa criança nunca ninguem viu em casa de avental.

Bons tempos! Bons tempos!



Aos domingos parecia dia de festa, almoço especial, macarrão com frango ou nhoque em casa feito, de sobremesa pavê (nunca mais comi pavê).

Sempre tinha um tio que soltava uma piadinha:

Isso não é para comer é só pavê.
Receita de PAVÊ
2 gemas

4 colheres de sopa de manteiga

4 colheres sopa de açúcar de

2 colheres de sopa de rum

1 lata de creme de leite sem soro

200 g de ameixas sem caroços.

300 gramas de Biscoito Maizena ou biscoito Champagne

Modo de fazer:

1.Bata os ingredientes, com exceção dos Biscoitos, no liquidificador

OS 2.Umedeça biscoitos sem açúcar misturado com Leite

3.Monte o pavê terminando com uma camada de creme

Com Ameixas 4.Decore

5.Leve uma geladeira

6.Recomenda-se que se preparar um dia antes de se servir



Qualquer dia eu farei.

NA ROTA DOS BAILES DE FORMATURAS



DÉCADA DE 60


Com a entrada do ano novo também Iniciava-se a temporada dos bailes de formaturas, colegios Todos os faziam a sua.

Tinha formaturas Para todas as categorias, veja: Ginasial, Científico, Clássico, Normal

Cursos Técnicos, Faculdades e até de

Corte e Costura, cabeleireiras, torneiros mecânicos, marceneiros, E por ai a fora.

Os salões mais procurados para bailes de formaturas eram:

Clube Homs

Clube Pinheiros

Clube Piratininga

Palácio Mauá

Transatlântico

Casa de Portugal

Aeroporto (Congonhas)

Conforme a posse dos alunos além do Salão contratados também eram orquestras ou conjuntos, lembro-me que os mais famosos eram:

Silvio mazuca

Erlon Chaves

Waldemiro Lenke

Orquestra Tupi

Tabajara

Renato e seus Blue Caps

Osmar Milani

Entre outros.

Formandas vestiam como brancos e vestidos longos e os formandos de terno preto e gravata borboleta.

Também havia muitas formalidades, tais como: Hino Nacional, Discurso do diretor da escola, do paraninfo, da Autoridade convidada, apresentação do aluno mais dedicado,

Chamada de aluno por aluno para uma dança da valsa, havia uma dança da valsa primeiro para os formandos com suas madrinhas, depois para os pais dos formandos, e outra para todos os presentes, só depois de tudo isso começava o baile que ia até às Quatro horas da madrugada.

Lembro também que nos tinha convites a frase seguinte:

Só será permitida a entrada de casais, ai complicava, pois uma Maioria dos jovens ia desacompanhada, então ficavamos a espera da chegada de famílias com mulheres e desacompanhas na maior cara de pau pedíamos para acompanha-la somente para entrar,

Umas aceitavam outras não, mas todos entravam.

As mães choravam, como desmaiavam avós, os pais enchiam a cara de Cuba Libre samba, oi-fi, e seguia o baile.

Na época os formandos sabiam ler e entender o texto e também repetiam de ano.

Lembra?


-Lá no sítio do Raul em Ribeirão Pires?

-Esse nem quero lembrar dia foi terrível.

-Vc só coisas boas lembra?

-Claro que boas eu deixo nenhum arquivo como ruínas eu tento deletar, mas nem sempre consigo.

-Você esa certo é mesmo assim que se faz de acordo os psicólogos com.

Deixando-o que aconteceu de ruim tem de lado uma boa parte, por exemplo:

uma piscina de pedra e água natural, uma lareira, o leitão a pururuca preparado pela esposa dele, uma sobrinha dele, lembra?

loirinha, magrela, branquela e de olhos azuis, bom mesmo foi.

-Conta o resto ai meu amigo.

-Deixa prá lá nem vou contar que uma culpada foi uma tremenda diarréia que tive no trem.

Chega, chega vou parar por aqui.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx



-Conta aquela da Festa do Vinho em São Roque.

- Pô essa também eu quebrei a cara e aprendi a não sair de casa só com o dinheiro da condução.


-Varios colegas marcaram para irmos a festa do vinho na Cidade de São Roque, que ficou marcado Sairíamos do bar do Espanhol às 6:30 ele que iriamos de trem.

Eu me atrasei e quando cheguei no bar não tinha mais ninguem, já tinham ido.

O Espanhol obteve-me que foram mais de Cinquenta pessoas entre pais, mães, filhas e filhos e que todos levavam sacolas com comidas e bebidas.


Resolvi ir sozinho, fui para uma Estação Sorocabana e peguei o trem para São Roque, acontece que eu nem sabia onde ficava a cidade de São Roque, desci na estação errada, nem lembro o nome.

-Por que você desceu?

Não lembro o nome da Cidade, mas lembro que o trem ficou quase vazio, quase todos desceram e eu fui atrás.

Putz, você é burro mesmo.

-Não, não .... era uma pressa de chegar. Na cidadezinha em, ele que eu desci perguntei onde ficava a festa do vinho para uma motorista de táxi que ficava me obteve um quinze km de lá.

-Então não é aqui de São Roque?

-Não meu caro e na cidade próxima ele respodeu,.

Cocei-cabeça um danado, tô.

-Por favor como eu faço para chegar lá?

-Só de trem ou de carro, não tem ônibus para lá.

-Quanto o senhor quer para levar até lá?

- Isso vai ficar em mais ou menos R $ 50,00.

Era o que eu tinha bolso não, se eu for de táxi vou ficar durinho, durinho.

- Vamos lá, subi no taxi e fomos.

Ele me deixou na entrada do Parque de Exposições de São Roque, entrei encontrei com meus colegas e com eles passei a visitar uma feira do vinho



Viaduto do Chá
1965


Os camelôs vendiam não Viaduto do Chá Flamengo Pentes e Barbatanas para e colarinhos

com os dois nas mãos Falavam e mostravam

ficavam falando o tempo todo:

Barbatanas para colarinhos, pentes Flamengo inquebráveis
Barbatanas para colarinhos, pentes Flamengo inquebráveis
Barbatanas para colarinhos, pentes Flamengo inquebráveis


Quase todas as Barbatanas usavam camisas e os jovens viviam penteando os cabelos
Estavam com que gumex ou glostora.


Depoimento do Sr. Lo

Fininho; sexta feira estava voltando Jardim da Cidade, antes da Faria Lima Cruzei com um cara vendendo biju, não tinha catraca, tambor nem nem roleta, não era de isopor, embalada de quatro no saco plástico em forma de canudo, não de copinho como eu comia, por incrivel que pareça umas duas quadras encontrei um cara com um realejo, com o papagaio e tudo

Resposta

Essa foi boa mesmo

Nunca mais vi ninguém vendendo tambor em biju e nem realejo.

Eu gostava muito de ouvir as músicas tocadas no e periquito do realejo que pegava o bilhetinho da sorte.

Na época passava na minha rua um senhor com um tambor que tinha uma roleta com números de 1 a e 10 pagando-se o dobro do valor de um biju podia-se rodar uma roleta e no nr que ela parasse ganhava-se o indicado.

Certo dia eu rodei uma roleta e ganhei 10 bijus, distribui para todos os colegas da paineira.

Realejo é um instrumento musical que toca uma música predefinida quando se gira uma manivela.

O realejo é uma espécie de órgão mecânico portátil que tem um ou vários foles, com um teclado.
Funciona por meio de uma manivela uma accionar Simultaneamente os foles e um cilindro dentado munido de pontas de bronze que abrem as válvulas dos tubos do órgão, para uma produção das diferentes notas



Os Três Mosqueteiros




Autor: Alexandre Dumas

Eu era fã de carteirinha dos Três Mosqueteiros

A ação decorre em 1648, no ano em que termina a Guerra dos Trinta Anos. D'Artagnan, um jovem de rosto moreno e comprido,

os malares salientes e os maxilares bastantes Desenvolvidos, o olhar era franco e inteligente, o nariz adunco, a sua estatura média mas proporcionada, é também aventureiro e corajoso em busca da fortuna, acompanhado pela sua comprida espada, e também pelo seu cavalo de cor amarelada, sem crinas na cauda, ele que fazia umas oito léguas por dia, é um ótimo parceiro para o jovem.

O jovem gascão, chega a França, na linda localidade de Paris, que é uma cidade fervilhante de vida e emoções, duelos e romances, aventuras e perigos.

Aí o jovem conhece travando conhecimentos com três homens, não MOSQUETEIROS São Rei do qual, no qual se chama Luís XIII, a quem lhe dão a vida para o defensor e também a quem lhes chamam "os três inseparáveis", que se chamam, Athos , o nobre, Porthos, o forte, e por fim o Aramis, o astuto.

Enguias Nasce então entre (o jovem e Os Três Mosqueteiros), uma grande amizade muito forte sem limites e D'Artagnan conquista uma farda de mosqueteiros, o que admitem no grupo depois de testadas as suas qualidades de espadachim. Juntos, os quatros amigos escolhem lutando corajosamente para salvar uma honra da rainha Ana de Áustria, de um embroglio que em uma Amoroso haviam envolvido com o Duque de Buckingham, braço direito do rei Carlos de Inglaterra. A França vive dias de guerra civil, católicos Opondo um huguenotes. A atmosfera de intrigas palacianas envenena a vida francesa. Os mosqueteiros Participam nenhum cerco a La Rochelle (1629) e COBREM-se de glória.

O misterioso homem de Meung, um Perfida Milady e os inúmeros guardas, duelistas e esbirros do cardeal são alguns dos obstáculos que os mosqueteiros Tem de Enfrentar ao longo da viagem, neste espantoso romance de aventuras e perigos.

A Perfida Milady recebeu entretanto ordens de Richelieu para suprimir o Duque de Buckingham, aliado dos sitiados de La Rochelle e suposto amante da alegre rainha. Os mosqueteiros prendem um agente do cardeal (Milady), mas esta consegue fugir, mata o duque e envenena uma das aias da rainha por quem D'Artagnan se havia apaixonado. Perseguida pelos quatro intemeratos, nas Milady é justiçada margens do Lys. D'Artagnan reconcilia-se com o Todo-Poderoso valido de Luís XIII (Richelieu), o que promove um tenente dos Mosqueiros do rei. Athos retira-se para a vida campestre, Porthos casa-se e Aramis dedica-se à vida Monastica.




Lembra?
PATA-PATA


Daquela musica da PATA PATA de Miriam Makeba?
(Cantora sul-africana)

Nos bailinhos a gente ficava cantando o refrão:

Ta com pulga na costela
Tira pra coçar
Dançávamos, cantávamos cocávamos e nos (nem acredito que eu fazia isso)



xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx



. Vários Miriam gravou discos de grande popularidade naquele país.

A sua canção Pata Pata tornou-se um enorme sucesso mundial. Em 1966.

(Veja na biografia Wilkipedia).

XXXXXXXXXXXXXXXXXX

Copiei uma musica e coloquei em meus vídeos, assista.

http://www.youtube.com/watch?v=e-VrfadKbco




ELVIS PLESLEY



COMPLETARIA 75 ANOS DE IDADE HOJE DIA 08.01.2010

Elvis Aaron Presley (East Tupelo, Mississippi, 8 de janeiro de 1935 - Memphis, 16 de agosto de 1977) foi um famoso cantor, músico, ator, nascido nos Estados Unidos da América, sendo mundialmente denominado O Rei do Rock, também conhecido pela alcunha de Elvis The Pelvis, apelido pelo qual ficou conhecido na década de 50 por sua maneira extravagante e ousada de dançar. Uma de suas maiores virtudes era sua voz uma, atingia Devido ao seu alcance vocal, que, segundo especialistas, notas musicais de difícil alcance para um cantor popular. A crítica especializada reconhece seu expressivo ganho, em extensão, com uma maturidade; Além de virtuoso senso rítmico, força interpretativa e um timbre de voz que o destacava entre os cantores populares, sendo avaliado como um dos maiores e por outros como o melhor cantor popular do século 20.


Grandes Sucessos de Elvis Presley (MÚSICAS)
- Love me tender

- Always On My Mind

- Can't Help Falling In Love

- Suspicious Minds

- My way

- Jailhouse Rock

- Unchained Melody

- Bridge Over Troubled Water

- A Little Less Conversation

- It's Now Or Never

- Only You

- Hound Dog

- That's All Right, Mama

- Blue Suede Shoes

- Burning Love

- Sweet Caroline

- Kiss Me Quick




1. Curiosidades sobre os filmes de Elvis Presley



2. Ama-me com Ternura (Love Me Tender)



3. A Mulher que Eu Amo (Loving You)



4. Prisioneiro do Rock (Jailhouse Rock)



5. Balada Sangrenta (King Creole)



6. Saudades de um Pracinha (G. I. Blues)



7. Estrela de Fogo (Flaming Star)



8. Coração Rebelde (Wild in the Country)



9. Feitiço Havaiano (Blue Hawaii)



10. Em Cada Sonho um Amor (Follow That Dream)



11. Talhado para Campeão (Kid Galahad)



12. Garotas e mais Garotas (Girls! Girls! Girls!)



13. Loiras, Morenas e Ruivas (It Happened at the World's Fair)



14. O Seresteiro de Acapulco (Fun in Acapulco)



15. Com Caipira Não se Brinca (Kissin 'Cousins)



16. Amor a toda velocidade (Viva Las Vegas)



17. Carrossel de Emoções (Roustabout)

18. Louco por Garotas (Girl Happy)



19. O Cavaleiro Romântico (Tickle Me)



20. Feriado não Harém (Harum Scaru





Quem Twist Dançava na década de 60 ????????




Dançar era fácil torcer, era só imitar esmagar uma barata com os pés, primeiro com o pé direito depois com o pé esquerdo, depois com os dois pés e movimentar o corpo, pronto estava dançando twist.

O cantor de twist mais famoso era o norte americano Chubby Checker, com uma letra Let `stwist novamente.

Copiei a musica no youtube e coloquei em meus vídeos, assista.




Não sou desse tempo






Outro dia uma das minhas noras me perguntou se eu me lembrava da cantora Dalva de Oliveira e do seu marido Herivelto Martins.

Eu respondi:

-Não, não, eles eram da época dos meus pais, eu na verdade sou da época dos Beatles e Rolling Stones.

Após essa frase eu me lembrei daquela música ERA UM GAROTO QUE COMO EU amava OS BEATLES E ROLLING STONES, que era uma versão americana, não me lembro do que um americano cantava, aqui no Brasil foi gravada por muitos cantores, mas uma fez mais que sucesso foi com o conjunto dos INCRÍVEIS.

Hoje fico a pensar porque dançávamos com uma musica tão triste, quando era tocada nos bailinhos o pessoal ficava maluco e saia imitando metralhadora e pulando por todo o salão, por Rajadas eram todos lados SO.

Depois fui até o You Tube e copiei a musica e coloquei em meus vídeos, assista que você ira gostar.


LETRA DA MÚSICA
Era um garoto


Que como eu

Amava os Beatles

E os Rolling Stones ..



Girava o mundo

Sempre a cantar

As coisas lindas

Da América ...



Não era belo

Mas mesmo assim

Havia mil garotas à fim

Cantava Help

E Ticket to Ride,

Oh! Lady Jane and Yesterday ...



Cantava viva liberdade, à

Mas uma carta sem esperar

Da sua guitarra, o separou

Fora chamado na América ...



Parar! Com Rolling Stones

Parar! Com Beatles songs

Mandado foi ao Vietnã

Lutar com vietcongs ...



Rata-tá tá tá ...

Tatá-rá tá tá ...

Rata-tá tá tá ...

Tatá-rá tá tá ...

Rata-tá tá tá ...

Tatá-rá tá tá ...

Rata-tá tá tá ...



Era um garoto

Que como eu!

Amava os Beatles

E os Rolling Stones

Girava o mundo

Mas acabou!

Fazendo a guerra

No Vietnã ...



Cabelos longos

E.U.A. Não mais

Nem toca a sua

Guitarra e sim

Um instrumento

Que dá sempre

A mesma nota

Ra-ta-ta-tá ...



Não tem amigos

Nem vê garotas

Só gente morta

Caindo ao chão

Ao seu país

Não voltará

Pois está morto

No Vietnã ...



Parar! Com Rolling Stones

Parar! Com Beatles songs

No peito um coração não há

Mas duas medalhas sim ....



Rata-tá tá tá ...

Tatá-rá tá tá ...

Rata-tá tá tá ...

Tatá-rá tá tá ...

Rata-tá tá tá ...

Tatá-rá tá tá ...

Rata-tá tá tá ...



Ra-ta-ta ta-ta ...

Ra-ta-ta ta-ta ...



ADELAIDE CARRARO


Hoje me lembrei que na década 60 li um livro Cujo título era UE EO GOVERNADOR, TENDO como autora Adelaide Carrara, esse livro na época foi um escândalo, pois contava os pormenores de momentos íntimos entre ela eo governador, dizem que o governador era o Dr. . Ademar de Barros.

Copiado

Quando era menina, lembro-me de ouvir falar desse livro e que não causou Alvoroço na cidade de SP quando de sua publicação. Seu efeito é ainda mais contundente por tratar-se de obra autobiográfica que E.U.A. tintas fortes para contar uma luta pela sobrevivência do ex-tuberculoso numa sociedade complexa.

Adelaide é uma menina que Órfã ... TENDO perdido o pai numa briga de galo .... cedo amadurece sem contato com funcionários e Autoridades, em sua peregrinação por um emprego público. Em sua caminhada perde a saúde, a inocência, tenta o suicídio, busca a elevação social pela única via que conhece: o favor eo apadrinhamento.

As famosas "Cartinhas de apresentação" eram ferramentas comuns nessa época para admissão nenhum serviço público


Biografia

ADELAIDE CARRARA

Nasceu em Vinhedo, interior de São Paulo, em 30 de julho de 1936. Ficou Órfã com mais onze irmãos, e passou a viver em um orfanato. No decorrer de sua vida publicou cerca de quarenta livros e seus maiores sucessos foram as obras publicadas pela Editora Global: O Estudante, O Estudante II, O Estudante III e Meu Professor, Meu Herói, que ultrapassam mais de trinta edições, sendo Possível afirmar que Mais de 2 milhões de livros foram vendidos. Adelaide Carraro nunca se casou, mas foi mãe adotiva de duas crianças. Morreu em janeiro de 1992. Pela Global Editora tem as seguintes obras: O Estudante, O Estudante II, O Estudante III e Meu Professor, Meu Herói. EU E O GOVERNADOR.
Havia comentários que ela morava não JADIM SÃO BENTO-Casa Verde



São Paulo, 22 de janeiro de 2010


Ilmo.Sr.Vereador de São Paulo

Eliseu Gabriel



REF.: LIXEIRAS MOVEIS NAS RUAS





Com a presente, venho sugerir um V.S. Apresente que um projeto de lei que obrigue a todos os Estabelecimentos Comerciais que tenham portas abertas para as ruas uma manterem Lixeiras moveis na porta dos mesmos, independente da atividade comercial.

Sabemos que as lixeiras fixas só trazem Prejuízos ao município, dado uma ação dos Vândalos.

Na minha opinião essa seria uma solução para evitarmos uma imundice que se encontram nossas ruas, avenidas e praças.

Assustadoramente notei que aumentou as bitucas e Maços de cigarros jogados nas portas dos bares, lojas, bancos e prestadores de serviços, isso em vista da Lei que proíbe o ato de fumar em locais fechados, o que poderia ser Evitado com moveis como lixeiras.

Certo da Apreciação de V.S. para o exposto desde já agradeço e subscrevo-me



Atenciosamente



Luiz Delphino


CARNAVAL DÉCADA DE 60


No sábado de carnaval íamos todos para uma Avenida São João, chegávamos cedo para esperar os desfiles das Escolas de Samba, ficavamos andando para baixo e para cima vendo, como fantasias, os carros alegóricos (carro mesmo), cheio de moças bonitas que de Cima dos carros jogavam confetes e serpentinas, lança-perfume não galera pessoal

Lá pelas 22:00 h Iniciava-se o desfile das escolas de samba, av uma desciam. São João, Passavam pelas arquibancadas, camarotes, comissão de jurados, não acompanhávamos final todos, agora sem compromisso com jurados, misturava-se com o povão sambando e íamos até a Praça Marechal Deodoro.

Na AV. Tirandentes era igual e íamos até a Senador Queiros sambando com as escolas,

As pessoas tiravam fotos com os destaques, passistas e cabrochas das escolas, era muito bom mesmo.

Atualmente o carnaval não Anhambi é assim:

A escola entra no ônibus que esta estacionado em frente a sede, desce na concentração e desfila em seguida, entra novamente no ônibus e volta para a sede, em seguida vão todos para casa assistir as escolas desfilando demais, só isso.

COPIADO

Tinha aproximadamente nove anos quando meu pai, proprietário de um bar e restaurante na Rua Anhaia, vizinho de uma oficina mecânica, "Equipe Marino", foi convidado um participar de um desfile na Avenida São João.

É claro que eu fui junto! Meu pai, em um carro alegórico que representava a primeira IMPLOSÃO de um prédio em São Paulo, eu e o Mendes Caldeira, dentro da saia de uma baiana que representava Carmem Miranda. O carro alegórico era enorme e eu ficava debaixo da saia dela, que era montado em cima da carroceria de um carro, sem os vidros, sem nada, só o motorista tinha seu banco e enxergava o caminho Por um pedaço rendado da saia que Deveria ter uns oito metros de altura. Eu fiquei o desfile inteiro ajudando um balançar uma saia, enquanto uma dançarina ficava sambando No topo do carro .... Marino equipe ganhou por várias vezes o campeonato de carros alegóricos e eu estive lá!

Muita saudade!

E-mail do autor: suruk@fasternet.com.br



DÉCADA DE 60 - PARTE II



RESULTADO DOS DESFILES DAS ESCOLAS DE SAMBA

1960 Nenê de Vila Matilde O Despertar de Um Gigante.

1961 Lavapés

1962 Unidos do Peruche

1963 Nenê de Vila Matilde Enaltecendo uma raça.

1964 Lavapés

1965 [2] Nenê de Vila Matilde O Mundo Encantado de Monteiro Lobato.

1965 Unidos do Peruche IV Centenário do Rio de Janeiro.

1966 Unidos do Peruche Exaltação a Carlos Gomes.

1967 Unidos do Peruche Exaltação a São Paulo.

1968 Nenê de Vila Matilde Vendaval Maravilhoso

1969 Nenê de Vila Matilde Com Recife antigo no coração.

1970 Nenê de Vila Matilde Desvairada Paulicéia

CARNAVAL 2010 DA REDE GLOBO DE TELEVISÃO


Confira as tabelas de preços do Carnaval 2010:



Arquibancada

• R $ 45 a R $ 145 (Grupo Especial)

Cadeira de pista

• R $ 155 a R $ 375 (Grupo Especial)

Mesa de Pista (4 lugares)

• R $ 770 a R $ 1,760 (Grupo Especial)

Camarote 10 pessoas

• R $ 9,600 a R $ 19,200 (Grupo Especial)

Camarote 25 pessoas

• R $ 22,000 a R $ 38,280 (Grupo Especial)

Como uma família classe media baixa com cinco pessoas PODERÁ assistir o carnaval não Anhambi??
E as classes C-d-e-f??

Só nos resta assistir pela globo a dona do carnaval.


E-MAIL RECEBIDO NO DIA 29 DE JANEIRO DE 2010


Boa tarde a todos!

Diariamente recebo e-mails deste senhor, vcs vejam como é a vida de um aposentado.

Percebi que depois das chuvas o volume de mensagens aumentou em minha caixa de entrada, pois bem, achei melhor Contatar o tal senhor e ver o motivo de tantos e-mails com assuntos diversos. Fiz uma busca no Orkut e achei o tal Fino da 14, lhe envie um SCRep minhas duvidas com, vejam a resposta abaixo, na integra, do senhor pobre:

"Amigo Até que enfim um alguém respondeu meu e-mail!

- Veja vc a minha situação, trabalhei a vida toda em uma grande empresa NO RAMO DE PRODUTOS QUÍMICOS onde ocupava um cargo importante. Fiz as melhores viagens para a praia grande, gastei horrores nenhum quiosque da Dona Jadir na Praia dos farofas, tive melhores carros do SO, morei no melhor bairro de SP, criei 5 filhos que estudaram no exterior. Minha vida ia às mil maravilhas, até que um dia vi que tinha um bom pé de meia e decidi me aposentar.

- Caro colega, me aposentei com teto pago pela previdência e mais o meu pé-de-meia eu estava rindo a toa (ainda tinha dentes), o tempo foi passando, minhas viagens Cassinos para os do Uruguai já não eram tão freqüentes, o Nível de vida AA também já não era do tipo classe. Fui utilizando meu pé-de-meia para bancar as despesas, e, após alguns anos, meu pé de meia já não era um pé ... e sim um dedo mindinho. Meu Salário da Previdência já não era o mesmo .. a inflação o deixara mais baixo a cada ano, ai começaram-se as baixas de meus bens. Primeiro se foi a casa eo iate de Angra dos Reis e junto minha esposa que fugiu com o nosso motorista, encerrei minha conta na barraca da Dona Jadir, depois logo se foram os carros e todo o resto. Me mudei do bairro do Imirim, onde eu possuía um belo Rancho e fui morar nos fundos da casa de um simpático casal na rua 14.

Peço desculpas se meus e-mails enchem sua Caixa de mensagens, mas é o único divertimento que tenho em dias de chuva, pois para chegar até a rua eu tenho que descer 194 degraus (depois tenho que subir tb). Na rua todos já conhecem como minhas dificuldades, eu ganho cigarro do Paraguai grátis no noia do DVD, como pastel de graça na barraca do Negão, corto o que me sobrou de cabelo não Celsinho e jogo conversa fora com o Manézinho do samba. Ao anoitecer eu volto e passo na casa do simpático casal que Oferecem um jantar antes de eu encarar aquela escada, quando estou quase dormindo ao lado o vizinho liga um filho da puta de um compressor e começar a pintar a noite toda, sem contar como marteladas que ele dá nas paredes. Uma vez fui reclamar e quase fui agredido pelo rapaz que saiu no portão de camiseta regata, barriga de fora e botas de chuva, que falar sem ele é muito gordo e DEVE pesar uns 150 kg. Com muita ignorância me chamou de gaga veio e mandou ir PQP.

Gostaria de ser pobre um dia, porque ser todos os dias está foda.

Espero poder um dia falar com o nosso presidente Lula e perguntar se ele viveria com uma aposentaria igual a minha.

Caro amigo desculpe o desabafo e se não gostou vai PQP vc também !!!!"

Fino 14





CARNAVAL DÉCADA DE 60 (III)



O barato dos carnavais da década de 60 eram: serpentina, confete, máscaras de todos os tipos, fantasias de arlequim, colombina, Zorro, Máscara Negra, palhaço, óculos de Celulóide

Para proteção dos olhos contra os jatos de lança-perfume, ovos, farinha e água.

Acontece que o pessoal passou um cheirar o lança-perfume, passando o mesmo a ser considerado droga e posteriormente proibido o seu comércio pelo então presidente Jânio Quadros.

Nos bailes eram vendidos também como escondidas comprimidos de PERVENTIN E DEXAMIL, diziam que ambos eram estimulantes e que tirava o sono (Rebite).

Bebidas Alcoólicas todas possíveis e imagináveis, sem final dos bailes várias pessoas completamente bêbadas das mesas dormiam embaixo.

Havia também o pessoal do Fumace, Aqueles que viviam colocando Colírio Moura Brasil para tirar o vermelhão dos olhos, (isso mesmo, quem fuma maconha fica com os olhos muito vermelhos), mas esses fumavam muito reservadamente e Fora do salão de bailes, pois nessa época do crime era fumar maconha, nunca tive conhecimento de outras drogas essas instâncias.

As Moçoilas iam Acompanhadas de seus pais que ficavam nas mesas enquanto elas dançavam e ao final de cada seleção musical comparecer Deveriam elas e dizer que estava salva dos paqueras.



O pessoal do time de futebol costumava realizar uma pelada entre MARMANJOS vestidos de mulheres contra os machões, o time que perdia o jogo era castigado com ovos, farinha e água, mas acabava com todos os presentes levando ovos e farinha era uma tremenda algazarra. (veja foto do Guarisinho FC em 1965).



Recurso n º 48476, 1971 - Ponente Min. Barros Monteiro

HABEAS CORPUS. DEXAMIL E Pervitin. 1) SUBSTANCIAS CAPAZES DE PRODUZIR DEPENDÊNCIA FÍSICA OU PSÍQUICA E EQUIPARADAS A entorpecentes PARA OS EFEITOS DO Disposto NO ART. 281 do Código Penal, 2) PACIENTE QUE ALEGA TER SIDO PRESO, portando AQUELAS SUBSTANCIAS, CINCO MESES ANTES DE PROMULGADAS AS PORTARIAS QUE AS REFERIDAS RELACIONARAM SUBSTANCIAS ENTRE AQUELAS EQUIPARADAS A entorpecentes; 3) ALEGAÇÃO improcedente. ORDEM Indeferida.

Meu Amigo Pilulinha


DROGAS DA DÉCADA DE 60

O Pilulinha tinha esse apelido porque era viciado em drogas, tomava tudo que lhe diziam que dava barato, até descongestionante nasal ele chegou a tomar com guaraná. O que desgraçou a vida dele foi o perventim que lhe fora dado por um outro "amigo" em uma noite de carnaval. Nessa noite que já era a terceira de carnaval ele estava muito cansado e não estava dormindo quase baile, foi quando apareceu o João Cachorro e lhe deu dois comprimidos de perventim e disse:

-Pilulinha essa é boa mesmo, tomo conhaque com essas duas você vai ver o barato que dá.

Lembro-me até hoje, eram dois comprimidos brancos e bem pequenos como ele e tirou de uma embalagem de lata Redondinha e também pequena com escritos em vermelho.

Ele o fez assim, daí meia hora ele estava todo eufórico, feliz da vida mesmo, foi para o meio do salão pulava e dançava, cantava, acompanhado sozinho também e, realmente o cara ficou maluco, e desse dia em diante nunca mais largou E também fazer perventim descobriu que poderia Dilui-lo e injetar na veia. Ele vivia com os braços roxos e feridas com até devidos como várias picadas que Levava TODOS OS DIAS.

Depois ele virou hippie, cabeludo, sujo, ensebado, vendia bugigangas lá na região da av. Ipiranga, fiquei sabendo que nessa época ele conheceu e passou a consumir LSD,

Também passou a fumar maconha ea tomar vinho, pinga depois, conhaque, cheirava lança-perfume, éter, cola de sapateiro, DEXAMIL E assim foi até morrer aos trinta e cinco de idade.

Que Deus o tenha.

.

Copiado

E no Brasil? Na década de 60, era aqui comercializado um medicamento à base de metanfetamina com o nome comercial de Pervitin, que era muito consumido entre jovens. Relatos de abuso desse medicamento são encontrados na literatura médica nossa. Cavalcanti5, realizada em Pesquisa do Estado de Pernambuco, entrevistou 159 estudantes, distribuídos pelos cursos de medicina, filosofia e engenharia, e que encontrou 61,1% dos entrevistados faziam uso de Pervitin. Assim o autor descrevê O Fenômeno:

COPIADO II

1. Histórico e origem do LSD-25

O LSD-25, ou seja, a dietilamida do ácido lisérgico é uma Substância sintética, produzida em laboratório. Ela foi descoberta acidentalmente pelo cientista suíço Hoffman, que ingeriu uma pequena quantidade da droga. A partir disso, iniciaram-se experiências terapêuticas com o LSD-25. Ela foi utilizada para o tratamento de doenças mentais, mas hoje em dia sabe-se que ela não tem utilidade médica. Ela é talvez a mais Substância Ativa idade que no cérebro. Pequenas doses já produzem grandes alterações.

2. O que o LSD-25 faz nenhum organismo?

O LSD-25 é uma droga perturbadora do sistema nervoso, ou seja, ela provoca alterações sem Funcionamento do cérebro, causando fenômenos psíquicos como alucinações, delírios e ilusões. Essa Substância Contém em sua estrutura o núcleo indol, que também está presente um neurotransmissor do cérebro em um serotonina. Por esta característica, essa droga interfere nenhum mecanismo de ação da serotonina. O LSD-25 é um alucinógeno primário, porque seus efeitos Ocorrem principalmente no cérebro.

Os efeitos dessa droga dependem da Pessoa da sensibilidade, do ambiente, da dose e da expectativa diante do uso da droga. Os efeitos físicos observados são: dilatação das pupilas, sudorese, aumento da Frequência cardíaca, aumento de temperatura. Às vezes pueden ocorrer náuseas e vômitos.

As alterações psíquicas são muitos mais importantes. As sensações pueden ser Agradáveis como uma observação de cores brilhantes ea audição incomuns de filhos. Pode ocorrer também ilusões e alucinações. Em outros casos as alterações são Desagradaveis. Algumas pessoas observam visões terríveis e sensações de deformidade externa do próprio corpo. Já foi descrito o efeito de flashback, isto é, semanas ou meses após o uso da droga os sintomas mentais pueden voltar, mesmo que uma pessoa não tenha mais consumido a droga.

3.Como o LSD-25 é eliminado do organismo?

A metabolização Ocorre no fígado ea Eliminação é feita pelas fezes e pela urina.

4. Tolerância e dependência ao LSD-25

Os alucinógenos produzem indólicos pouco fenômeno de tolerância e não induzem dependência física.



Principais acontecimentos dos Anos 60


Esportes

»Em 1962, é realizada uma Copa do Mundo de Futebol no Chile. O Brasil torna-se bi campeão Mundial.

»Copa do Mundo de Futebol na Inglaterra, ralizada em 1966. Inglaterra campeã.

»Em outubro de 1968, Ocorrem as Olimpíadas do México.

»Ciência e TecnologiaEm abril de 1960, os Estados Unidos lançam o primeiro satélite meteorológico. Lançamento do primeiro computador eletrônico, o RAMAC 305, pela empresa IBM. Em 12 de abril de 1961, o russo Yuri Gagarin torna-se o primeiro homem um espaço não entrar. Em 1967, na África do Sul, ocorre o primeiro transplante de coração. Em maio de 1968, o primeiro transplante de coração é realizado no Brasil. O homem chega à Lua em 20 de julho de 1969, Através da missão Apollo 11.

»ComunicaçõesEm 1 de maio de 1963, a TV Tupi faz a primeira transmissão em cores da televisão brasileira. Em 1965 é Transmitido pela televisão o I Festival de MPB. Em 25 de junho de 1967, ocorre a primeira transmissão de televisão via satélite. Criação da ArpaNet, em abril de 1969, o embrião da Internet.

»Guerras e Conflitos

»Em agosto de 1961, ocorre uma construção do Muro de Berlim. Em 5 de junho de 1967, começa a Guerra dos Seis Dias. Israel ataca a Síria, Egito e Jordânia. Final da década de 1960: Aumentam os protestos nos Estados Unidos e no mundo contra a Guerra do Vietnã. Fortalecimento dos Movimentos Pacifistas.

Cultura e Arte

»Em dezembro de 1967 é criada uma FUNAI (Fundação Nacional do Índio).

»Em abril de 1968, é lançado um grande sucesso do cinema: 2001, Uma Odisséia no Espaço, de Stanley Kubrick.

»Inauguração do MASP (Museu de Arte de São Paulo) em 7 de novembro de 1968.

»O movimento hippie ganha força nesta década.

Política

»Em 21 de Abril de 1960, a capital do Brasil é transferida do Rio de Janeiro para Brasília.

»Em 3 de outubro de 1960, Jânio Quadros é eleito presidente do Brasil. Em 25 de agosto de 1961, Jânio Quadros renuncia.

»Em 22 de novembro de 1963, enquanto fazia uma visita a Dallas, o presidente JF Kennedy é assassinado.

»Em 31 de março de 1964, um golpe militar não tira Brasil do poder o presidente João Goulart. Início da ditadura militar no Brasil.

»Em 1966, tem inicio a Revolução Cultural na China.

»Em 4 de abril de 1968, é assassinado o ativista pelos direitos civis Martin Luther King.

Música

»Em novembro de 1962 é gravado o primeiro disco dos Beatles intitulado Please, Please Me. O lançamento Ocorre em março de 1963. Esta década foi marcada pelo grande sucesso musical desta banda de rock.

• No I Festival de MPB (1965), com a canção Arrastão, de Edu Lobo e Vinicius de Moraes, Elis Regina começa um sucesso fazer nenhum cenário musical brasileiro.

• No final da década tem início o tropicalismo, movimento cultural brasileiro importante.

»Janis Joplin é o símbolo do movimento de Contracultura na música.


DOR DE DENTE

Lembram dessa ???????


Guaiacol

Quem
Não tinha dinheiro para ir ao dentista usava guaiacol para amenizar a dor ou então uma cera do Dr. Lustosa.

Que tristeza

realmente amenizava a dor, porém arrebentava os dentes, por isso temos hoje na Terceira Idade mais de 20.000.000 de desdentados.

Então resolvi fazer um implante dentário virtual na parte superior da minha boca,

e achei que ficou ótimo.

Vocês poden ver na foto que ficou uma belezura.

Faço implante virtual para os desdentados grátis é só enviar uma foto.
É isso ai.

Sábado de aleluia na década de 60

Na sexta-feira santa costumávamos montar um boneco com roupas velhas que pedíamos aos vizinhos, calças, camisa, sapatos chapéu, jornal e capim seco para encher o boneco, depois o coitado era amarrado no poste da esquina mais movimentada (Rua Juca Floriano com a Av. Casa Verde) e lá ele ficava até o sábado da aleluia e exatamente ao meio dia ele era retirado e embebido em querosene e tacava-se fogo, alguém puxava o boneco em chamas e a molecada descia o cacete no danado.

O sábado de aleluia era uma grande festa, pois enquanto malhávamos o judás as famílias enfeitavam a Av. Casa Verde com bandeirolas de papel de seda e pintavam os postes com cal, tudo isso para a procissão do ENCONTRO na madrugada do domingos de páscoa, essa procissão acontecia de madrugada, na verdade era duas, ambas saiam da igreja N.S. das Dores, uma subia a Av. Baruel e a Outra seguia pela Av. Casa Verde e se encontravam na Rua Guarisinho com a Av. Casa verde, no momento do encontro havia uma grande queima de fogos e o padre Amaral da janela de um sobrado gritava “VIVA JESUS CRISTO, VIVA JESUS CRISTO” e os fieis repetiam em coro, depois ele fazia um sermão e pedia donativos para a reforma da igreja e falava, falava, nem me lembro de que.

Depois as duas procissões se juntavam e voltavam para igreja onde rezavam outra missa.

Outro evento nesse dia e que eu gostava muito era o PAU- DE- SEBO, erguido também na Rua Juca Floriano com a Av. Casa verde, esse era a alegria da criançada, pois quem conseguisse chegar ao topo do pau de sebo de lá retirava vários brindes e inclusive uma boa quantia em dinheiro, mas para isso acontecer demorava de dez a doze horas, pois havia muito sebo no pau e o pessoal escorregava ao tentar subir e com isso ia sendo retirado o sebo.

Também havia outro pau de sebo muito concorrido e era erguido na Rua Ouro Grosso com a Av .Casa verde , patrocinado pela turma do Bar do POFF, diziam que a quantia em dinheiro que lá colocavam era muito generosa, e acho que era mesmo, pois lá compareciam mais de duas mil pessoas e todos tentavam alcançar o topo, inclusive saia até reportagem sobre o mesmo no Jornal ULTIMA HORA.

Para terminar digo a vocês :

- Faz quarenta anos que não vejo uma procissão e cinqüenta que não vejo um pau de sebo.



Definição :

Us. na locução mastro ou pau de cocanha, mastro untado de sebo, com prémio no topo para aquele que, trepando, consiga atingi-lo.



Em 19/05/2010 02:20, luiz Delphino delphino < delphino47@hotmail.com > escreveu:




Quando eu era menor de idade fui fazer um teste no City Bank para office-boy, lá na São João com a Ipiranga, foram dois dias de teste psicologicos eu não aguentava mais fazer aquelas m......

A psicologa era uma velha nojenta e feia, no final dos testes ela me falou um montão de m........ e eu não fui admitido.

Hoje recebi um E-mail e gostaria que ela visse.

Essas psiricologas acham que são dona da razão e com aqueles testes determinam se a pessoa serve ou não.



E-MAIL RECEBIDO E QUE EU GOSTARIA QUE AQUELA COISA LESSE :

Um sujeito está para ser admitido no emprego.

O Psicólogo dirige-se ao candidato e diz:

- Vou lhe aplicar o teste final para sua admissão.

- Perfeito, diz o candidato.

Aí o psicólogo pergunta:

- Você está em uma estrada escura e vê ao longe dois faróis emparelhados vindo em sua direção. O que você acha que é?

- Um carro, diz o candidato.

- Um carro é muito vago. Que tipo de carro? Uma BMW, um Audi, um Volkswagen?

- Não dá pra saber né?

- Hum..., diz o psicólogo, que continua: Vou te fazer uma outra pergunta:

- Você está na mesma estrada escura e vê, só um farol vindo em sua direção, o que é?

- Uma moto, diz o candidato.

- Sim mas que tipo de moto? Uma Yamaha, uma Honda, uma Suzuki ?

- Sei lá, numa estrada escura, não dá pra saber (já meio nervoso).

- Um..., diz o psicólogo. Aqui vai a última pergunta:

- Na mesma estrada escura você vê de novo só um farol, menor que o anterior. Você percebe que vem bem mais lento. O que é?

- Uma bicicleta.

- Sim mas que tipo de bicicleta, uma Caloi, uma Monark?

- Não sei.

- Você foi reprovado! - diz o psicólogo.

Aí o candidato muito triste com o resultado, dirige-se ao psicólogo e fala:

- Mesmo eu não sendo aprovado achei interessante esse teste.

Posso fazer uma pergunta ao senhor, nessa mesma linha de raciocínio?

E o psicólogo satisfeito responde, claro que pode!

- O senhor está tarde da noite numa rua mal iluminada. Aí vê uma moça com maquiagem carregada, vestidinho vermelho bem curto,girando uma bolsinha, o que é?

- Ah! - diz o psicólogo - é uma puta.

- Sim, mas que puta? Sua filha? Sua irmã? Sua mulher? Ou a puta que te pariu?










COPIADO



SAUDADES DE UMA CONTEMPORÂNEA



Da vida tranquila de andar na rua sem medo

de passear no sossego e ver criança brincando

de amarelinha, pega-pega e queimada.

Saudade do pipoqueiro, do armazém, de poder comprar na caderneta

saudade até do mocinho de lambreta.

Da matinê de domingo, usar vestido tubinho e

ir no bailinho depois ir tomar cafezinho no

aeroporto.

Voltar pra casa cedinho roubar leite do vizinho

e comer com pão quentinho.

Na porta da escola o moço vendia machadinho

ou quebra-queixo.

No inverno usar banlon, um casaquinho cor de

rosa ou limão.

Domingo ir à missa das 11, a tarde ir na matinê

ou ver jovem guarda na tv.

Toda casa tinha porão, apartamento só no centro

ônibus então, parava até fora do ponto

pra pegar o cidadão.

Cigarro fumava M i n i s t e r

uma vez um namorado me deu um maço e disse:

Minha Inesquecivel Namorada Isto Será Tua Eterna Recordação

era um poeta

Taxi só quando saía de viagem

para levar a estação

Bandido só o da luz vermelha

mas tinha medo do homem do saco

Passear na Rua Augusta era uma festa

era um sobe e desce de fusca e corvete.

Cachorro não tinha esse montão

mas vira-lata e pastor alemão

Não lembro de ter rua contramão

No cinema filme de amor que O vento levou!

E o quarto centenário uma parada

do céu caiu muita folhinha prateada.

Esse foi um tempo muito bom!



e-mail da autora: yaraynet@gmail.


É VERDADE



Passamos por tudo isso

Lembro também das noites de verão das mães sentadas em cadeiras nas portas casas jogando conversa fora, dos pais jogando dama na porta do armazem do Seu Manoel e das crianças brincando de mãe da rua (os meninos) amarelinha, roda-roda, passa anel (as meninas).



Naquela época comia-se bacalhau quase todos os dias, nos armazens de secos e molhados existiam pilhas e pilhas do sem cabeça, hoje bacalhau é coisa de rico.
FALANDO-SE EM BACALHAU
VC JÁ VIU UM COM CABEÇA?

FESTA JUNINA DÉCADAS DE 60 E 70


Alguém se lembra das quermesses da Igreja N.S.das Dores, as festas juninas no Colégio NSD, a grande festa da Vila Altieri, os arrasta-pés no Vasco da Gama, do Liceu Carvalho Pinto-(Decorado com bambu e bandeirolas de papel de seda e com sanfoneira tocando na quadrilha ao vivo), das fogueiras nos terrenos baldios, da batata doce assada na brasa? Certamente temos muitas histórias para contar das nossas festas juninas, em uma epóca que a população rural representava 50% de nossa população. Hoje em dia, só para ter idéia, nossa zona rural representa apenas 5%.





Músicas

Depois dos quarenta anos eu passei a prestar atenão nas letras das músicas, antes eu as ouvia, mas não dava muita atenção para as letras, veja essa:

Hino Ao Amor


Dalva de Oliveira

Composição: Edit Piaf / Monnot

Se o azul do céu escurecer

E a alegria na terra fenecer

Não importa, querido, viverei do nosso amor

Se tu és o sol dos dias meus

Se os meus beijos sempre foram teus

Não importa, querido o amargor das dores desta vida

Um punhado de estrelas no infinito irei buscar

E aos teus pés esparramar

Não importa os amigos, risos, crenças e castigos

Quero apenas te adorar

Se o destino então nos separar

Se distante a morte te encontrar

Não importa, querido, porque morrerei também

Quando enfim a vida terminar

E dos sonhos nada mais restar

Num milagre supremo

Deus fará no céu eu te encontrar


FORMATURA DO GINÁSIO CLUBE PINHEIROS
Eu e minha madrinha Marli





MISS PRIMAVERA 1960
Rainha da primavera


Nos anos 60 os clubes promoviam o concurso de RAINHA DA PRIMAVERA, mas não ganhava a mais bonita e sim a que vendia mais votos.

A compra do voto dava direito a ingressar no baile de apuração e também se concorria a um prêmio, geralmente o prêmio era poder dançar uma valsa com a vencedora.

Com isso o clube angariava fundos para o caixa.

Na ocasIão do baile o salão era decorado com muitas flores e palmeiras e os participantes tinham que estar vestidos a rigor.

Eu gostava muito de participar dessas festas.


Passe da CMTC na decada de 60
Cia.  Municipal de Transportes Coletivos

DRINK DOS ANOS 60



Responda e aparecerá na coluna da esquerda o nome do drink

é uma bebida feita à base de conhaque e coca-cola, levando também rodelas de meio limão e gelo

Atribui-se a invenção desta bebida aos soldados norte-americanos que ajudaram nas guerras da independência cubana (1898). Explica-se, assim, o seu nome.

Essa bebida era muito apreciada pelos jovens na década de 60.

1 – A sétima arte

2 – Um dos planetas (7º)

3 – Mulher do barão

4 – Doença respiratória

5 – Aquele que rouba

6 – Árvore símbolo nacional

7 – Modelo de calças dos anos 60


3 comentários:

  1. porque o senhor decidiu relatar sobre sua vida inteira

    ResponderExcluir
  2. o senhor saberia me informar se naquela epoca existia as ruas carandai,reliquia,atilio piffer,padre antonio dangelo,antonio lopes marin,bernardino fanganiello

    ResponderExcluir
  3. Agradeço a Deus ter vivido na Casa Verde na rua carandai,ter o Sr.Caetano como pai, e Dna. Valfrida minha mãe. Agradeço também ter tido os amigo que tive e com eles conviver até hoje em uma grande festa anual com buffet e tudo.Tenho um filme da Rua Carandai de 1949.

    ResponderExcluir